Created with Sketch.
Susana Pinto

Casamento no Funchal: Cristina + Tiago, o amor é partilhado

Fechamos mais um ano de publicações de casamentos bonitos, próximos, emotivos, pessoais e que são o espelho de cada casal que celebra desta forma o mais bonito dos dias. Publicamos quase meia centena de histórias de amor e de partilha, cheias de abraços apertados, algumas lágrimas, sorrisos que não terminam e muitas emoções.
As nossas sextas-feiras são sempre mais ricas, mais especiais, somos também convidados dos nossos queridos noivos e esta partilha colectiva de informação, conhecimento e memórias é um acto de generosidade. Agradecemos de coração cheio, com a responsabilidade e a honra que merece.

O último casamento que publicamos em 2017,  chega-nos do clima tropical do Funchal, é a festa da Cristina + Tiago, pensada com tanto carinho e entusiasmo, a duas cabeças, para que o dia fosse, dizem eles, “a nossa cara, simples, descontraído, natural e genuinamente carregado de bons sentimentos.”

De Coimbra para o Funchal, com dedinho da Molde Design Weddings, da In Love Unique Weddings e toucado da Cata Vassalo, fechamos 2017 com a mesma convicção: “é mesmo isto!”.

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Imaginámos um dia que fosse a nossa cara, simples, descontraído, natural e genuinamente carregado de bons sentimentos. Queríamos que tudo fluísse naturalmente, sem grandes imposições, nem preocupações em cumprir protocolos. Acima de tudo, imaginámos um dia com muita energia positiva com as pessoas que nos são mais queridas, presentes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Foi, acima de tudo, um caminho muito divertido. Adorámos cada fase do planeamento do casamento e vivemos esses meses (foi quase um ano!) em clima de grande entusiasmo. Idealizámos todos os pormenores e preparámos tudo com muito carinho e dedicação. Claro que também foi um caminho com algum stress. Principalmente porque tivemos de organizar tudo à distância (vivemos em Coimbra e o casamento foi no Funchal, terra natal da noiva).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Acho que sentimos isso muitas vezes. Sempre que sentíamos o entusiasmo das pessoas à nossa volta com o nosso casamento. Sempre que tínhamos alguma ideia e a concretizávamos… Mas o autêntico “é mesmo isto”, fomos sentindo verdadeiramente ao longo do próprio dia do casamento, em que vimos tudo o que idealizámos a acontecer e a conseguir até superar as nossas melhores expectativas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Sabíamos bem qual o estilo de casamento que queríamos e tinha que combinar connosco. Queríamos algo descontraído, emotivo, intimista e intenso.

O maior problema foi mesmo surgirem muitas ideias e ter um noivo que embarcava em todas as loucuras, sem nunca colocar um travão. Todos os pormenores foram pensados por nós e deu-nos um gozo tremendo executar algumas coisas, como os rótulos das garrafas de cerveja que tínhamos para o primeiro brinde, os missais, os livrinhos para as crianças e parte do estacionário. Também contámos com a ajuda das meninas da Molde Design Weddings que conseguiram captar muito bem o nosso estilo e desenvolveram peças lindas. O nosso cunhado Maligno também se revelou uma preciosa ajuda ao executar diversas peças em madeira que idealizámos. O resultado final não nos podia ter deixados mais felizes, e os elogios e sorrisos genuínos das pessoas não nos podiam ter deixado mais orgulhosos.

 

 

 

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Fundamental era conseguirmos estar com as pessoas e vivermos tudo com grande intensidade. Demos importância a tudo o que fazia sentido para nós.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil foi desfrutar em pleno aquele maravilhoso dia. Para o noivo o mais difícil foi encontrar o “pantone” certo da gravata. Para a noiva foi encontrar os brincos. Para ambos, foi pagar a conta no final!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Tivemos vários picos sentimentais durante o dia. Mas se só pudessemos escolher um, escolheríamos o momento na cerimónia onde lemos um texto escrito por nós e que relatava metaforicamente a nossa história e onde demos graças pelo sentimento que estávamos a viver. Tivemos a sorte de ser o Padre Tolentino Mendonça a fazer a nossa celebração e foi um momento verdadeiramente emotivo, do início até ao fim. Desde as palavras sabiamente escolhidas, a toda a serenidade e sensibilidade que só ele nos consegue transmitir. É algo que vamos guardar para sempre como um momento mágico e único!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E o pico de diversão?

A festa foi para nós tão divertida, que toda ela foi um longo pico, dando a sensação que estávamos nas nuvens. Mas a escolher um momento, escolhemos a loucura da nossa entrada na sala de jantar ao som da música “I was born to love you” dos Queen. Nada foi planeado, mas chegámos lá e foi como se disséssemos um ao outro “Isto é tudo nosso!”. Foi engraçado porque, tendo sido o casamento num hotel, vários turistas assistiram à nossa entrada, e deixaram-se também contagiar pela música e animação, fotografando e filmando o momento.

Mas tivemos tantos outros momentos. O discurso do noivo, num registo cómico-sentimental, deixou toda a gente a rir… A nossa primeira dança, que depois de tantos ensaios à porta fechada, saiu um pouco ao lado. Mas divertimo-nos imenso!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um pormenor especial…

A escolha da #bastaquesim logo que começámos a planear o casamento. Trata-se de um regionalismo madeirense, que exprime admiração por algo que aconteceu ou serve para quebrar o silêncio entre conversas. Foi engraçado porque, mesmo antes do casamento, os convidados interiorizaram o conceito e já se referiam ao nosso casamento como o “bastaquesim”.

 

 

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Não mudávamos nada. Talvez me tivesse preocupado um pouco menos com as flores e com a decoração e tivesse entrado na igreja um pouco mais devagar!

 

 

 

 

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Aproveitem e vivam com intensidade a fase de preparação do casamento. Apesar de dar muito trabalho e de a certa altura já não sabermos para onde nos virar, é tão bom sonhar e idealizar cada pormenor. É uma fase que deixa muitas saudades.

Não se deixem influenciar pelas opiniões das outras pessoas. O casamento é vosso e deve espelhar as vossas opções. E acima de tudo, não contem tudo, deixem algumas surpresas para o próprio dia. Ninguém viu o meu vestido e outros pormenores antes do dia do casamento. Foi difícil aguentar, mas valeu a pena!

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Molde Design Weddings, In love Unique Moments e os noivos;

espaço, catering e bolo dos noivos: Pestana Casino Park Hotel;

fato do noivo e acessórios: fato e botões de punho Dielmar; camisa Vicri; sapatos Aldo; gravata HolmesTies

vestido de noiva, sapatos e acessórios: vestido de noiva Inês Pimentel; sapatos Atelier Fátima Alves; brincos Juliana Bezerra Jewellery; toucado Cata Vassalo;

maquilhagem e cabelo: Ricardo Cecílio (Urban Hair Studio);

bouquet de noiva: A Tulipa;

decoração: idealizada e feita por nós, com a preciosa ajuda do nosso cunhado Maligno que executou grande parte dos materiais em madeira;

ofertas aos convidados: feitas por nós: um frasquinho de mel, da produção dos pais do Tiago;

fotografia e video: No Words Productions;

luzes, som e Dj: Xevents.

 

Marta Ramos

Alentejo florido, por Flor de Laranjeira

Um casal de arquitectos, ambos com origens no Alentejo, confiou à Teresa da Flor de Laranjeira a tarefa de salpicar de flores e de cor o dia do seu casamento. A data escolhida foi 10 de Junho, e começaram então os preparativos – aliando vários pedidos específicos por parte da noiva, Carolina, ao voto de confiança depositado no trabalho da Teresa. Tudo tinha sido sonhado ao pormenor, e agora estava na altura de torná-lo realidade, com o mesmo grau de atenção ao detalhe.

Conta-nos a Teresa: «Quem conhece Vila Viçosa certamente se recorda da praça ladeada de laranjeiras. Por isso, a flor de laranjeira seria um dos elementos mais desejados. Infelizmente Junho já não é a época dela, mas como é da flor que nasce o fruto, juntei umas mini laranjas a uma mistura colorida de bouvardia, rosa piano, cravos, craspedia, erygium, eustomas, espigas dos campos alentejanos. Tudo isto junto e misturado de uma forma descontraída, como se a própria noiva o tivesse colhido no campo.»

Acrescem aos elementos naturais outros toques muito personalizados, que ajudaram a criar a imagem do dia, como, por exemplo, os detalhes inspirados nos bordados de Nisa, presentes no vestido da noiva e nos convites para o casamento.
Para além das origens alentejanas, que o casal queria celebrar na sua festa, havia ainda um lado castelhano a reclamar visibilidade – perfeitamente conseguida através da mantilha da noiva, enriquecida com o flores coloridas e vistosas pela Teresa. Uma combinação magnífica.

Florir este dia, foi sem dúvida desafiador e extremamente gratificante. Obrigada querida noiva, arquitecta, conterrânea do nosso rico Alentejo.

Fiquem com as fotos, assinadas por Maria Imaginário.

 

 

 

 

 

 

 

Vejam aqui OUTROS TRABALHOS DA FLOR DE LARANJEIRA e FALEM COM A TERESA. Ela terá todo o prazer – e toda a perícia – em contar um pouco da vossa história através dos instrumentos que melhor domina: as flores.

Susana Pinto

À conversa com: Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas

Hoje conversamos com a Jennifer Miranda, que assina como Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e, nos últimos tempos – e muito bem – profssional de penteado também.

A Jenny, como é conhecida no meio, é uma profissional empenhada e muito dinâmica, com um belo trabalho. Consegue equilibrar o papel de mãe de dois energéticos miúdos pequenos, com o de vegetariana convicta e fornecedora de qualidade irrepreensível e muito profissionalismo. Fá-lo com um despacho e elegância admiráveis , é presença assídua no nosso showcase do Porto e é sempre um prazer conversar com ela!

 

Fazer parte de uma memória feliz, ajudar alguém a sentir-se melhor, é para mim muito gratificante.

 

Como chegaste a este universo da beleza feminina?

Na verdade desde sempre estive ligada a este mundo da beleza, a minha mãe é cabeleireira, sempre foi uma mulher muito vaidosa, lembro-me de estar rodeada de maquilhagem da Lâncome, que era a marca de eleição da minha mãe, lembro-me ficar a observar esse ritual que ela tinha todas as manhãs. Adolescente, comecei a fazer as minhas experiencias (era ainda pré-youtube!), coleccionando revistas Vogue de todo o mundo, observando as imagens de publicidade, as dicas dos maquilhadores internacionais, e começaram a chegar os pedidos das clientes da minha mãe para que as maquilhasse…

Entretanto, entrei para a faculdade, acabei o curso, comecei a trabalhar na minha área de formação mas o bichinho de trabalhar com beleza falou mais alto e larguei tudo para procurar aquilo que realmente me sentia bem a fazer, que é, até hoje, maquilhar (e agora pentear).

Fazer parte de uma memória feliz, ajudar alguém a sentir-se melhor, é para mim muito gratificante.

 

Qual é a importância da maquilhagem, num dia tão especial? E nos dias comuns?

Num dia especial como o dia do casamento,  a maquilhagem certa, é, na minha opinião, muito importante e fundamental para que a noiva se sinta confiante, bonita e, acima de tudo, ela própria. Não sou muito apologista de mudanças radicais ou transformações enormes, por isso opto por um look elegante e intemporal que deixe realçada a beleza natural de cada mulher. No dia-a-dia, acho que as mulheres devem andar arranjadas sim, mas isso não implica que andem maquilhadas, uma pele bem cuidada e um hidratante de lábios pode ser o suficiente… ou não, isso cabe a cada mulher decidir, acho que as mulheres devem ter total liberdade quanto a isso.

 

Um rosto é uma tela ou há todo um conjunto de regras firmes sobre este assunto? Depende da ocasião?

Creio que isso depende de cliente para cliente, existem rostos que me inspiram mais que outros, naturalmente, mas principalmente na maquilhagem de noiva, há que ter um certo bom senso, não diria que são regras (não acredito muito nelas, na verdade….), mas sim considerações a ter em conta, para que daqui a uns anos ainda se continue a gostar do resultado, que fica gravado para sempre, não só nas fotografias mas também na memória!

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

As tendências da estação são importantes, ou não contam para a maquilhagem de noiva?

Sim, as tendências são importantes, até porque hoje em dia as noivas estão mais atentas a elas e todas chegam ao estúdio com a sua pasta do Pinterest, cheia de looks de cabelos e maquilhagem (nem sempre adequados a noivas, ao formato de rosto, etc.), por isso sim é importante estar a par das tendências, das novas texturas, cores, estilos de maquilhagem mais reproduzidos… e a partir daí fazer uma filtragem, ver o que faz sentido adoptar, o que não faz, o que gostaríamos de ver nas nossas maquilhagens, perceber se faz sentido na maquilhagem de uma noiva. Existem tendências que podem resultar muito bem numa noiva, e outras às quais não presto a mínima atenção porque não são aplicáveis neste contexto.

 

Onde buscas inspiração para o teu trabalho de makeup artist?

Gosto muito de folhear revistas de moda, ver as texturas que são mais predominantes nas fotografias. Ver arte clássica e renascentista ajuda-me sempre bastante na busca por uma beleza natural e misteriosa ao mesmo tempo. Gosto de deambular pelas lojas de maquilhagem e tocar nas texturas, cores e produtos novos e imaginar o que poderia fazer com eles.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescas a mente e o espírito?

Esses momentos acontecem, naturalmente, a qualquer pessoa, tento (quando possível) fazer coisas completamente diferentes, sair do estúdio, estar comigo própria, tomar conta de mim, ler um livro… não pensar de todo no meu trabalho e fazer algo que me dê realmente prazer.

 

Dás formação regularmente. Sentes que fazes diferença no quotidiano de quem te procura?

Sim, dou formação, mas cada vez com menos frequência, porque quero continuar a ter prazer em partilhar conhecimento, quero que quem vem aprender comigo, realmente tire partido. Ensino tudo o que sei, tenho muita atenção ao detalhe e crio oportunidades para as minhas alunas, muitas delas começam a trabalhar comigo em trabalhos mais secundários, ou como assistentes, algumas acabam por ficar comigo, como é o caso da Adriana, que começou como minha aluna e hoje é o meu braço direito.

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

Jenny Makeup Land, maquilhagem para noivas e penteados de noiva

 

 Qual é o teu processo de trabalho, como crias uma ligação com as tuas clientes?

Tento sempre criar uma ligação com as minhas clientes.

Apesar de ser uma relação profissional, eu e a minha equipa somos vistas como uma parte muito importante de um dia muito especial, por isso tento sempre “entrar” um pouco no dia delas. As noivas procuram os nossos serviços com muita antecedência, vamos falando por email, às vezes vêm cá fazer uma visita ao atelier e intuo que elas sentem necessidade de conversar sobre o seu dia, de partilhar detalhes e pedir a nossa opinião sobre este ou aquele assunto. Muitas vezes essa pequena conversa é suficiente para percebermos se existe empatia de parte a parte, o que torna o processo criativo muito mais fácil.

 

Qual é a melhor parte de ser responsável pela beleza da noiva no seu dia? E o mais desafiante e difícil?

Além de eu gostar mesmo de maquilhar, gosto muito mesmo de maquilhar noivas, gosto de ser a maquilhadora que elas vão recordar para sempre (pelos melhores motivos!), gosto de estar presente no meio daquele nervoso miudinho, gosto de ajudar a vestir, colocar o véu…

 

Quem gostarias de maquilhar? E por quem gostarias de ser maquilhada?

Gostava muito de maquilhar a Lilly Collins, (adoro-a, tem uma beleza, serena e intemporal), e adorava ser maquilhada pela Lisa Eldridge, pois gosto muito do estilo dela.

 

Os contactos detalhados Jenny Makeup Land estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, vejam as imagens bonitas e contactem-no directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Marta Ramos

Presentes de Natal desenhados à mão, por Caramelo

Como o próprio título deste artigo indica, o tempo é uma questão essencial aqui. Assim sendo, começo desde já por vos alertar para o facto de terem que falar já, já com a Caramelo, se ainda quiserem oferecer no Natal algum dos seus trabalhos.
E que trabalhos são esses? Retratos desenhados a partir de fotografias, por exemplo. Ou caricaturas, continuando no mesmo registo. Mas também podem criar histórias completas em formato BD, de acordo com as vossas indicações. E, para assinalar um momento marcante ou para servir num brinde verdadeiramente especial, nada como uma excelente garrafa de vinho com o rótulo personalizado – e caligrafado.
Não há nada que diga mais alto que nos preocupámos de facto com o presento de alguém que oferecer algo feito à mão. Uma criação única e irrepetível. Tal como a pessoa que a recebe.
Ora espreitem as imagens:

 

 

 

 

 

 

Agora, o processo é bem simples: escolham a forma que querem dar aos vossos presentes desenhados; depois, responderão a algumas questões da Caramelo. Em apenas alguns dias, os vossos presentes serão criados – e após a vossa aprovação final, a peça escolhida será produzida.
Os criadores da Caramelo são contadores de histórias. Através da palavra, das canções, do desenho, da caligrafia, do vídeo, gostam de espelhar o amor, a aventura, a loucura, a insensatez feliz. E orgulham-se, sobretudo, de criar peças únicas, memoráveis, intransmissíveis. Seja um convite, um retrato, uma garrafa de vinho, a assinatura deles é, no fundo, a vossa assinatura. Para se inspirarem, recorrem às coisas do dia, aos detalhes imperfeitos, aos post it que colam nos livros, aos pratos deliciosos da família, aos encontros inesperados. À vida que vivem.
Confiem na Caramelo para se inspirar na vossa história e traduzi-la num objecto bonito e absolutamente original. Falem com eles – e, já sabem, é melhor fazerem-no ontem!

Aproveitem para espreitar os artigos que já publicámos sobre os diversificados trabalhos da Caramelo no contexto dos casamentos e comecem já a pensar nas coisas que lhes vão encomendar para o vosso grande dia.

Boas compras!

Marta Ramos

O Natal em Pedaços de Cacau

A Raquel, a nossa artesã de Pedaços de Cacau deliciosos, assume nesta altura do ano a função de duende da felicidade natalícia. Porque chocolates, há muitos, sobretudo no Natal; mas os Pedaços de Cacau são outro campeonato inteiramente!

Todos os nossos produtos são confeccionados e decorados de forma artesanal, utilizando matéria-prima de alta qualidade, como o chocolate belga proveniente de cacau plantado através de práticas sustentáveis.

Os bombons artesanais de chocolate negro belga, com um mínimo de 54% de cacau, podem ter diversos recheios: desde cacau crocante, a laranja, creme de avelã, frutos silvestres, caramelo, limão, café, praliné, morango, mel, maracujá e vinho do Porto. Acreditem quando vos digo que são mesmo pedaços de felicidade. Em 2016, receberam três prémios: os bombons de limão foram distinguidos pelo Great Taste Awards como O Melhor Sabor com uma estrela; os bombons de mel foram premiados com medalha de ouro no Concurso Nacional de Chocolates Tradicionais; e, no mesmo concurso, os bombons de caramelo receberam medalha de prata.
Há também tabletes artesanais de chocolate com 72% de cacau. Estão disponíveis em dois tamanhos,  pequeno (30g) e grande (100g), e em seis sabores: coco e amêndoa, gengibre e canela, hortelã-pimenta, malagueta e flor de sal, laranja e noz, pimenta-rosa. Todas as tabletes Pedaços de Cacau são vegan, ou seja, isentas de ingredientes de origem animal e não testadas em animais, e o cacau utilizado é proveniente de plantações sustentáveis na África Ocidental.

Os lollipops, as criações originais e os produtos temáticos completam a colecção. Para o Natal, são sugeridas algumas novidades exclusivas da época, como os bombons com Sabor a Natal, as figurinhas, os bombons pinheirinhos e bonecos de neve, os lollipops com desenhos de flocos de neve, os chocolates redondos, tudo com uma apresentação irrepreensível e combinações de sabores que se transformam automaticamente em sorrisos.

Consultem os cabazes sugeridos, com nomes divertidos – como o Mixórdia de Sabores – e façam a vossa encomenda online. Regra geral, todas as encomendas entregues em Portugal Continental demoram cerca de 48 horas, na Europa 5 dias e entre 5 e 7 dias no resto do Mundo.

 

 

 

 

 

 

 

Uma bela visão, encontrar um pacotinho destes debaixo da árvore de Natal!

Acompanhem aqui os posts que vamos publicando acerca das delícias que a Raquel vai apresentando.
Depois de se deslumbrarem com as delícias natalícias da Pedaços de Cacau, falem com ela para acrescentarem este toque doce e sofisticado ao dia do vosso casamento.

Susana Pinto

Fun, fun, fun: Joana + Bruno, um casamento em Leiria

Aproveitamos o feriado para partilhar convosco, de forma generosa, o casamento divertidíssimo da Joana + Bruno, perto de Leiria, na Quinta das Silveiras, com catering de Iguarias do Tempo.

Esta festa tem graça do princípio ao fim, e as fotografias bonitas do Pedro Sifredo, nosso fornecedor seleccionado, mostram a emoção à flor da pele.

Sem mais delongas, peguem numa caneca de chá fumegante e vamos espreitar esta magnífica festa, no querido mês de Agosto!

 

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?
Não somos propriamente um casal romântico, porém sempre sonhámos com o nosso dia; não porque tínhamos pressa em «ser casados no papel», mas porque desejávamos muito festejar a nossa união, junto das pessoas que nos eram mais queridas e, claro, da nossa Malu (a nossa companheira de quatro patas). Queríamos um casamento que nos espelhasse. Teria de ser algo simples, mas diferente… e decididamente ao ar livre! Imaginávamos que o nosso dia acontecesse numa tarde de verão, ao som de boa música e com um ambiente de muita alegria e diversão, rodeados pelos nossos familiares e amigos.

 

 

 

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?
Muito preparados! Desejávamos tanto esse dia que sentíamos imenso prazer em tudo o que projetávamos, mesmo nos aspetos que poderiam ser mais extenuantes. Todo essa preparação nos deixa muitas saudades, pois vivemos tudo de uma forma muito descontraída. Até ao dia antes do casamento, não existiram nervos, por mais estranho que possa parecer.

 

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?
Quando escolhemos o local para a realização de todo o casamento. Para podermos fazer aquilo que desejávamos, tínhamos de encontrar alguém que aceitasse o nosso “desafio”, exigências e, claro, nos facultasse o espaço que necessitávamos. Durante algum tempo procurámos locais – hotéis, pousadas, monumentos históricos, etc. – onde existissem espaços abertos e verdes (porque nenhum de nós tinha interesse em quintas de casamento), mas sem sucesso, pois ninguém estava disposto a pôr em práticas as nossas ideias. Foi então que encontrámos a Quinta das Silveiras. Para quem andou sempre a evitar quintas de casamento, foi precisamente uma quinta que “nos acolheu”.

 

 

 

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?
Bastante fiel. Dentro daquilo que era possível fazer (sim, porque muitas vezes desejámos quase o impossível… mas quando se é noiva/noivo, tudo passa pelas nossas cabeças), o resultado foi muito bom! Tínhamos muitas “fontes de inspiração” que nos davam mais ou menos uma noção de como queríamos todo o ambiente do casamento. Para conseguirmos pôr em prática tudo o que desejávamos, contámos com a fantástica ajuda da Joana Conde, responsável pela Quinta das Silveiras, que encontrou a maior parte dos fornecedores que precisávamos e nos ajudou a alinhar o dia da melhor forma. Foi a nossa querida wedding planner.

 

 

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?
Sinceramente, tudo para nós tinha importância, até o mais ínfimo pormenor. Contudo, havia algo que era fundamental: que os nossos convidados se divertissem e desfrutassem do que tínhamos preparado, porque quando todos se sentem bem e felizes, tudo corre maravilhosamente. Queríamos que fosse um dia especial também para eles, por isso procurámos sempre mimá-los com pequenas coisas. Para além das lembranças, tentámos “enriquecer” o ambiente com apontamentos diferentes, como foi o caso do carrinho de gelados artesanais, do carrinho de gomas e da máquina de pipocas (porque temos tantos amigos doidos por gomas e pipocas!) e da fantástica «Gertrudes» – uma carrinha que na hora em que o frio apertou serviu caldo verde, preguinhos e pastéis de nata quentinhos, pela noite dentro. Enfim, pequenos detalhes que tinham o intuito de proporcionar o melhor aos nossos convidados, mostrando o quão gratos estávamos pela presença de todos.

 

 

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?
O mais difícil foi, sem dúvida, a escolha (ou melhor, a descoberta) do local. Seguidamente, foi o vestido, porque ambos sabíamos que a Joana ia ser muito indecisa no que toca à escolha do modelito perfeito para o dia, pois não se identificava com nenhum vestido de noiva. Podemos ainda incluir na lista do «mais difícil» a elaboração das mesas. Este é um aspeto que exige muito tempo e paciência porque queremos agradar a todos (o que é praticamente impossível). Relativamente ao mais fácil, achamos que foi a escolha do bolo (a imagem daquele bolo estava há anos guardada nos nossos telemóveis, pois já tínhamos decidido que um dia aquele seria «o bolo») e a escolha do fotógrafo e do videógrafo (o trabalho deles era o que procurávamos: captação da imagem de forma natural e elegante).

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?
Apesar de ter sido um miminho de aniversário (festejámos o 27.º aniversário da Joana à meia-noite), a chegada da Pixie (a nossa mais recente cadelinha) foi a maior emoção do dia. Já tínhamos pensado em aumentar a família, mas não estávamos de todo à espera que acontecesse naquele dia, que já por si era tão especial. As fotos captaram exatamente o que sentimos com a chegada dela. Foi muito especial e emocionante.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E o pico de diversão?
Pessoalmente, achamos que a diversão foi uma constante do início ao fim do casamento. Durante o dia, sentimos que o tempo voou e à hora do jantar, depois de nos termos sentado e reparado na realidade à nossa volta, conseguimos desfrutar da alegria que se fazia sentir naquele momento. Temos amigos muito palhaços (e adoramo-los por isso mesmo!) que fizeram do jantar um momento super divertido! Rimo-nos tanto!

 

 

 

 

 

 

Um pormenor especial…
O momento em que duas das pessoas mais importantes para nós disseram algumas palavras (tão especiais!) durante a cerimónia. Foi um momento muito querido e emocionante, que vamos guardar para sempre no coração.

 

 

 

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?
Se tivéssemos a oportunidade de voltar a viver o nosso dia, teríamos aproveitado para dançar mais… Alguns convidados, principalmente os mais velhos, quiseram despedir-se no momento em que a pista abriu. Como queríamos dar-lhes toda a atenção e uma palavra de agradecimento, a dança ficou para segundo plano.

 

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…
Por mais perfeccionistas que tentemos ser, existem sempre pormenores que nos escapam ou algo que não corre como havíamos previsto. Ouvimos isto inúmeras vezes, aquando da preparação do casamento, e sempre nos tentámos convencer que connosco seria diferente; iríamos tentar ter tudo bem organizado e controlado. Esqueçam, isso não irá acontecer! Há sempre algo que escapa, no meio de tanta preparação e azáfama.
Por isso, queremos aqui deixar um conselho: consciencializem-se que falhas irão existir sempre, mas serão tão mínimas que ninguém vai dar por elas, apenas vocês. O importante é que se divirtam porque é um dia que (infelizmente) não volta e tudo o que fizerem e sentirem naquele dia é o que ficará com vocês para sempre.

 

 

 

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Adjetivos de Papel;
local e decoração: Quinta das Silveiras;

catering: Iguarias do Tempo;
bolo: Brisa Norte;
fato do noivo e acessórios: fato, camisa e lenço Dielmar; sapatos Miguel Vieira; botões de punho – Massimo Dutti;
vestido de noiva, sapatos e acessórios: vestido de noiva feito por uma costureira cheia de imensa paciência, a amável Sónica Cerejo; sapatos Asos; Ainda a noite não tinha chegado e a Joana já tinha trocado os saltos pelas suas All Stars e o vestido de noiva por um “trapinho” curto de renda, da Asos;
maquilhagem e cabelo: Dressing Room;
bouquet, coroa de flores e coleira: Flores do Liz – Florista e Jardins;
ofertas aos convidados: saquinhos de biscoitos Ponto Rebuçado; pacotes com livro de atividades e canetas de feltro para as crianças (feitos pelos noivos); photobooth Arco-Íris Eventos;
carrinho de gelados artesanais: gelados artesanais Permarcati Creperie & Geladaria;
máquina de pipocas, som e DJ: A.Karaoke;
fotografia: Pedro Sifredo Photographer;
vídeo: Made My Day Films;

Marta Ramos

Um presente de Natal, por Kabuki Makeup by Rita Amorim

A Rita Amorim, da Kabuki Makeup, tem uma proposta muito engraçada e útil para resolverem algumas das prendas de Natal da vossa lista. Trata-se dos vales Workshop de Maquilhagem ao domicílio. É uma excelente ideia e tem uma grande vantagem – pode ser partilhada, já que os vales prevêem duas opções: um workshop a solo ou então a dois.

O rosto é uma tela, mas há que ter muita atenção à sua anatomia. Há diferentes tipos de rostos e o seu desenho depende do formato da face e da estrutura maxilo-facial. Em Portugal os tipo de rosto mais comum são o quadrado, redondo e triângulo invertido. E sobre cada tipo de rosto há que aplicar correctamente as tonalidades de base, blush, iluminador, de forma a tirar partido, da melhor forma, das suas características naturais. –  Rita Amorim

E o que é que podem aprender nestes Workshops?

. a anatomia da sobrancelha e a sua importância, identificando o formato de cada rosto;
. pontos de luz e como potenciar o formato dos olhos com a maquilhagem;
. quais os tons adequados para conjugar sombras e os que favorecem a cor dos vossos olhos – a Roda da Cores;
. os passos certos para uma maquilhagem de sucesso;
. técnicas para aplicar corrector, base, batom, blush, eyeliner/lápis e sombras;
. saber realçar o melhor do vosso rosto ;
. make up natural de dia e make up de noite.

O Vale Presente Para Ti tem o valor de 40 euros e é válido para uma pessoa. Já o Vale Presente para Nós é válido para duas pessoas e tem o valor de 60 euros.

 

Voucher Kabuki Makeup by Rita Amorim

 

Para adquirir os Vales Presente, contactem a Rita Amorim pelo email kabuki.ritamorim@gmail.com. Deverão dizer quantos pretendem e de que modalidade (uma ou duas pessoas); indicar a morada para a qual querem que os vales sejam enviados, fazer o pagamento por transferência bancária e enviar à Kabuki o comprovativo também por email.

Os Vales Presente são enviados num envelope premium com uma nota explicativa do conteúdo e de como deve ser feita a marcação. O envelope, que por si já é o embrulho de oferta, segue via correio azul. Poderão ser utilizados até Abril de 2018, na área da Grande Lisboa.

Aproveitem para colocar todas as vossas questões à Rita, ela terá muito gosto em explicar-vos tudo e em esclarecer todas as vossas dúvidas. E aproveitem bem!

Já leram a entrevista que a Rita Amorim nos deu? Não percam a oportunidade de conhecerem-na melhor – e, claro, naveguem por todos os artigos que já publicámos com a assinatura Kabuki.