Created with Sketch.
Susana Pinto

Casamento no Monte do Ramalho: Patrícia + Sérgio, que festaça!

Hoje trazemos um casamento que é uma ode palpável ao amor!

Patrícia + Sérgio casaram no Monte do Ramalho, no coração do Alentejo e no mais gentil dos meses de verão. Foi em Setembro, num dia de luz dourada e paisagem sem fim.

Organizaram-se à distância, a partir de Londres, com o suporte da Amor e Lima e escolheram casar no campo, rodeados de amigos e família vindos dos quatro cantos do mundo. O cenário rústico do Monte do Ramalho, com o seu altar civil à sombra de uma figueira centenária, as suas mesas corridas ao ar livre, luzes de arraial e a eira que se transforma em pista de dança, foi o local perfeito para celebrar este amor tão generoso.

Juntem-se a nós, venham ver este dia para lá de bonito!

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

O Sérgio pediu-me em casamento em Dezembro de 2016, de uma forma muito sua, na Chef’s table do Petrus em Londres. Disse imediatamente que sim mas ambos sabíamos que o casamento tinha que esperar quase dois anos porque eu estava grávida da nossa filha Maria Luísa que ia nascer em Agosto de 2017. Portanto tivemos bastante tempo para programar e organizar o nosso dia. Mas imaginar, já o tínhamos imaginado e ambos estávamos de acordo sobre como seria. Sabíamos que teria que ser ao ar livre, de preferência debaixo de árvores e com luzes de arraial. A cerimónia queríamos que fosse também ao ar livre, com fardos de palha a servir de bancos, e que tivesse um toque pessoal porque tínhamos muito receio da impessoalidade de um acto civil. Queríamos fugir de hotéis e procurar o campo e sabíamos que seríamos rodeados de oliveiras ou de vinhas. Ganhou a primeira!

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Sim, bastante preparados e com poucos nervos. Tanto eu como o Sérgio não éramos “marinheiros de primeira viagem” e já tínhamos casado antes. Acho que tínhamos claro o que imprescindível e o que era dispensável, e isso ajudou bastante na preparação e organização. Houve, sim, alguns nervos por causa das distâncias e pelo facto de termos escolhido casar fora de um lugar comum para qualquer um dos nossos convidados. Acrescenta-se o facto de cerca de 50% dos convidados virem de fora do país (Angola, Estados Unidos, Dubai, Espanha), o que criou alguns constrangimentos adicionais porque tentámos sempre ajudar na logística e arranjar solução para tudo.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

No meu caso, Patrícia, creio que só tomei consciência “é mesmo isto, vai acontecer” quando embarquei no Voo TP286 com destino a Lisboa no dia 1 de Setembro. Organizar um casamento à distância tem destas coisas. Acabamos por não estar tão emocionalmente próximos do evento e do eventual stress que a organização possa causar. Como confiávamos em pleno na Maria Villar, isso também ajudou. Quanto ao Sérgio, acho que foi quando começámos a ensaiar a dança para abertura da pista, depois da nossa amiga Huila a ter coreografado. Recordo dele dizer várias vezes: “Amor, isto está mesmo a acontecer, temos que ensaiar para sair perfeito, mas mais que tudo quero-me divertir a fazê-lo”.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado final foi totalmente fiel às ideias iniciais. Queríamos um casamento pequeno, muito simples, em que os pormenores escolhidos fossem sentidos e recordados pelos presentes e fizessem realmente a diferença.

Contámos com a ajuda preciosa da Amor e Lima, mais precisamente da Maria Villar. A Maria foi incansável e crucial durante todo o processo, não só ajudando-nos a manter-nos fiel ao plano e nossos desejos, como em manter um fio condutor do conceito do casamento que começou com o Save the Date e terminou com a execução de todos os detalhes do dia do casamento.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Era absolutamente fundamental que o casamento fosse fiel aos nossos princípios e transmitisse os nossos gostos. Queríamos muito que fosse simples e despretensioso, mas com significado. Queríamos muito, mas muito, aproveitar o dia e não chegar ao fim com a sensação que passou a correr e conseguimos. Era absolutamente fundamental que os nossos filhos tivessem uma atenção especial, de forma a que nem eles se sentissem esquecidos nem nós culpados por não lhes estar a dar atenção, ou a estar a dar atenção de mais e não aproveitar aquele dia único nas nossas vidas. Com a ajuda da Maria Villar conseguimos. Não sei se conseguimos identificar coisas que não tinham importância, porque as excluímos logo de início. Creio que não tinham importância muitas formalidades, dar lembranças desnecessárias e sem significado às pessoas, e olhar para o relógio.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Eu e o Sérgio dividimos responsabilidades. Ele ficou com o catering e a música e eu com o conceito do casamento, decoração, site e logística. O mais fácil e que disfrutámos imenso foi mesmo a escolha, tomar decisões, provar pratos, ver material de decoração, imaginar bouquets, entre tantas outras coisas. Mesmo tendo separado as responsabilidades, havia aspectos que se tocavam. Por exemplo, tive que solicitar outra opção de pratos/louça à Maria Villar porque o Sérgio dizia que não evidenciavam as qualidades do prato principal do jantar. Coisas de chef, mas acabei por concordar e dar razão, ajustando assim algo que tinha decidido. O mais difícil foi a questão logística e a gestão do alojamento para todos. Por coincidência houve um casamento no mesmo dia num hotel próximo e as opções de alojamento, que já eram limitadas, tornaram-se mais limitadas ainda. Ainda que me custasse imenso, houve convidados nossos a dormir a mais de 15 kms do Monte, que era a distância limite que inicialmente tinha definido.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Os discursos! O do Sérgio, que oscilou entre os momentos de choro e de riso e terminou com todos os presentes (exceptuando os estrangeiros) a cantar uma das nossas músicas. O meu, que foi improvisado e surpreendeu muitos dos convidados, e o do meu irmão André, que cumpriu o papel que estava destinado ao meu pai, que infelizmente nos deixou há três anos e não pode viver este dia connosco.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

E o pico de diversão?

A noite anterior já foi um pico de diversão. Oferecemos um churrasco alentejano aos familiares, padrinhos e madrinhas, e por ter sido tão descontraído, foi diversão espontânea. No próprio dia, foi também a parte da festa, que começou com a abertura da pista connosco a dançar uma música coreografada por uma amiga que é bailarina e professora de dança, e a partir daí contámos com a ajuda de muitos convidados para garantir que a diversão se mantinha até as forças acabarem.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Um pormenor especial…

As placas que estavam nas nossas cadeiras na mesa de jantar em que a minha dizia: Cozinhas para mim? e a do Sérgio dizia: Para sempre! Já que este pormenor é alusivo à nossa história e ao que nos uniu. Adicionalmente a leitura do poema que foi feita por uma das minhas madrinhas antes da troca das alianças, E por vezes, de David Mourão Ferreira, que imprimiu um significado especial à cerimónia pelo significado das palavras e o que significa para nós, sem dúvida personalizando o momento e fazendo com que todas as pessoas reflectissem sobre a importância de um abraço e do aproveitar do Presente.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

No cômputo geral não, mas se analisarmos o dia com todo o detalhe é impossível não identificar um outro pormenor que precisasse de melhoria ou alteração. Por exemplo, na cerimónia deveríamos ter salvaguardado que as duas primeiras filas eram reservadas aos padrinhos e não alertámos a wedding planner sobre isso. Uma delas efectivamente foi, a outra não e as madrinhas da noiva acabaram por ficar de pé muito perto dos noivos. Por outro lado, o Sérgio deveria ter feito um teste de som com o Filipe dos LBond para ter a certeza que não havia interferência com ele a falar com a música que escolheu para acompanhar o discurso.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Os melhores conselhos que posso dar são: keep it simple, porque é mesmo verdade que menos é mais e só no meio da simplicidade é que os detalhes entoam e se enaltecem. Definam um conceito e procurem ser fiéis ao mesmo, da mesma forma que definam um budget racional e exequível e procurem igualmente não o exceder. Tenham bem claro o que é imprescindível e dispensável, e o que pode estar. A dada altura da organização de um casamento parece que tudo é pouco, a comida é pouca, a bebida é pouca, não vai haver diversão suficiente, precisamos de mais detalhes ou acontecimentos no dia, e isso são muitas vezes as inseguranças e o stress a falar. Nessa altura é importante respirar fundo em conjunto e voltar a analisar o conceito e o rácio imprescindível vs dispensável. E por último, lembrem-se que o casamento é vosso e é o vosso dia, se vocês se divertirem e o aproveitarem com as pessoas presentes, nada os vai deixar mais alegres e felizes que essa partilha de sentimentos.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos, decoração e bouquet de noiva: Amor e Lima;

local: Monte do Ramalho;

catering e bolo dos noivos: Encontrus;

fato do noivo e acessórios: Alfaiataria San Giorgio, sapatos Armando Silva e botões de punho Cartier;

vestido de noiva e sapatos: vestido Laure de Sagazan e sapatos Manolo Blahnik;

maquilhagem: Lea Magui Louro;

cabelos: Ana Fernandes, Fhair Organic Studio;

ofertas aos convidados: para as senhoras, protectores de saltos da Lelle e echarpes à noite, da Amor e Lima. Para os senhores charutos e cigarrilhas Monte Cristo e José de la Piedra;

fotografia: Madalena Tavares;

vídeo: Fullcut;

luzes, som e Dj: LBond.

 

Susana Pinto

Casamento na Quinta do Hespanhol: Filipa + Francisco

Damos as boas vindas ao novo ano e retomamos as histórias de amor que contamos às sextas-feiras.

Hoje partilhamos o mais bonito dos dias da Filipa + Francisco: um casamento na Quinta do Hespanhol, fotografado pela Rita Santana Photography, com bouquet de noiva pelas mãos da Teresa Gonçalves, da Flor de Laranjeira.

Juntam-se a nós?

 

Casamento rústico na Quinta do Hespanhol

 

Casamento rústico na QUinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na QUinta do Hespanhol: sapatos de noiva em cetim rosa blush

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: vestidos da menina das alianças

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Queríamos simplesmente que fosse um dia com significado.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Sim, sentimo-nos sempre preparados. Houve momentos de cansaço devido às nossas vidas profissionais, mas sempre soubemos que era o nosso caminho.

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: penteado da noiva

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: pulseira da madrinha

 

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: vestido de noiva decotado nas costas

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Dias antes, quando falámos com o nosso Padre.

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

É muito mais que fiel, superou as expectativas. E sim, tivemos muita ajuda.

 

Casamento na QUinta do Hespanhol: vestido de noiva Laure Sagazan

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: bouquet de noiva de Flor de Laranjeira

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: vestido da menina das alianças

 

Casamento na Quinta do Hespanhol:

 

Casamento na Quinta do Hespanhol:

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Era fundamental que todo o casamento tivesse um significado simbólico, senão não valeria a pena casar. Para nós todo o pequeno detalhe teve a sua importância.

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: decoração de casamento rústico

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: decoração de casamento rústico

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: decoração de casamento rústico

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: decoração de casamento rústico

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: decoração de casamento rústico

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Decidir o espaço para o copo de água. Decidir a indumentária também foi, no geral, muito fácil e rápido. De resto, todas as escolhas tiveram o seu quê de dificuldade na escolha: menu, convites, missais, decoração da sala de copo d’água, leituras da cerimónia… Distribuir os convidados pelas mesas também não foi fácil.

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: sessão fotográfica de casados

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: sessão fotográfica de casados

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: sessão fotográfica de casados

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: sessão fotográfica de casados

 

Casamento na Quinta do Hespanhol: sessão fotográfica de casados

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A preparação e o pós. Foi uma grande descarga emocional.

 

E o pico de diversão?

Durante a cerimónia e durante o copo d’água.

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

Casamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol: naked cake dos noivos

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol: corte do bolo

 

Um pormenor especial…

Recriámos um “tie the knot”, e foi o próprio Padre que o entrelaçou nas nossas mãos.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada!

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

CAsamento na Quinta do Hespanhol

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Relaxem e aproveitem toda a preparação do casamento. É um dia muito feliz, e é um dia para vocês desfrutarem com o vosso futuro marido. É normal haver dúvidas e toda a preparação ter picos de stress, mas faz parte e, sem isso, o dia não teria tanto sabor.

 

Bonito, não é?

Passem pela casa da Rita Santana para ver o resto das imagens bonitas deste dia!

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: feitos por um amigo nosso, Manuel Barbosa de Melo;

espaço, catering e decoração: Quinta do Hespanhol;

fato do noivo e acessórios: alfaiate em Coimbra;

vestido de noiva e sapatos: vestido e véu Laure de Sagazan, sapatos Kendal & Kylie;

maquilhagem: Andreia de Almeida;

cabelos: Patz Hair and Makeup;

bouquet: Flor de Laranjeira;

ofertas aos convidados: Muguet Bem Casados;

fotografia: Rita Santana Photography;

luzes, som e Dj: Paulito Rodrigues Dj.

 

Susana Pinto

Casamento na Casa do Souto: Filipa + Nelson, alinhados na diferença

Fechamos a semana com o último casamento do ano: Filipa + Nelson, na Casa do Souto, fotografados pelo talentoso trio Feel Creations.

Bonito, animado e feito de opções e gostos muito pessoais, este é o resultado do mais bonito dos dias destes noivos.

 

Sejam vocês mesmas, mesmo que seja algo desalinhado do que é “supostamente” normal. Encontrem-se e sejam fiéis a vocês mesmas e, no dia, façam o que vos apetecer, porque o dia é vosso e passa a voar!

 

 

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Um dia rodeados das pessoas de quem mais gostamos, num ambiente descontraído.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Sim, sentíamos-nos preparados. Na semana anterior estávamos mais ansiosos, mas no fim foi tudo tranquilo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Quando estávamos mais próximos da data do casamento, quando o puzzle se começa a formar, com a escolha da decoração, do vestido, das músicas, etc., etc..

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Contámos com muitas ajudas, mas mantivemos sempre  como opinião final, a nossa. Nós não tínhamos nenhum ideal de casamento, fomos pesquisando e vendo o que se encaixava mais nos nossos gostos e personalidade, o que tinha mais a ver connosco.

 

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

O mais importante para nós era a escolha musical e o ambiente descontraído, para não ser enfadonho para ninguém. O menos importante, sinceramente, não sabemos dizer, pois o que para nós não tinha importância tirámos da lista: animadores, coreógrafos, limousine ou fotos tradicionais com os convidados.

 

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

A escolha mais fácil foi a quinta. O mais difícil foi a distribuição dos lugares.

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

O corte do bolo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E o pico de diversão?

O casamento foi animado do início ao fim, mas o ponto máximo da diversão talvez tenha acontecido após a abertura da pista de dança.

 

Um pormenor especial…

Todo a decoração foi bem pensada e era incrível: caçadores de sonhos, livros, música, uma tenda no jardim e muito crochet de família…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Não mudaríamos nada.

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Sejam vocês mesmas, mesmo que seja algo desalinhado do que é “supostamente” normal. Encontrem-se e sejam fiéis a vocês mesmas e, no dia, façam o que vos apetecer, porque o dia é vosso e passa a voar!

 

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos, decoração e bouquet de noiva: Milene Styling and Event Planner;

local, catering e bolo dos noivos: Casa do Souto – Paços de Ferreira;

fato do noivo e acessórios: Elisabeth Videira (Freeport Alcochete);

vestido de noiva e sapatos: sapatos Parfois e vestido foi feito pela minha modista, Leninha;

maquilhagem: Tânia Morais Makeup;

cabelos: Isabel Leão;

fotografia e vídeo de casamento: FeelCreations – Wedding Photo & Film;

luzes, som e Dj: We – Wedding & events djs – Pedro Campos.

 

Susana Pinto

Um doce casamento na Quinta da Costeira: Helena + Rui

Fechamos esta semana com dose dupla de um belo casamento na Quinta da Costeira, em Oliveira de Azeméis, captado pela Daniela Rodrigues, do Meraki Studio, e pela dupla Sublime Films (com quem falámos longamente esta semana).

A aventura de sete meses da Helena + Rui a caminho do mais bonito dos dias, é uma delícia, cheia de alegrias e alguns solavancos – porque é mesmo assim a viagem.

Atentem nos bons conselhos desta querida noiva: são valiosos e muito certeiros!

Sem mais demoras, partilhamos o amor deste dia: é palpável e tão doce…

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Acima de tudo e em poucas palavras: descontraído e alegre.

Queríamos um dia bem passado junto das pessoas que acreditamos serem as melhores pessoas para estarem ao nosso lado, e por isso partilhar este dia tão único e especial.

 

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Ahahah! Nunca se está preparado… Como tratamos pessoalmente de muitas das coisas, acabou por ser um caminho feito por um terreno totalmente desconhecido para nós e, por isso, foram-nos apresentados imensos desafios que tivemos de saber ultrapassar.

O caminho foi manifestamente com muitos nervos mas, no final, nem nos lembramos disso. Só para dar uma “luzinha” da velocidade em que tudo acontecia e teve de acontecer, o louco do meu ”ex”-namorado pediu-me em casamento e 7 meses depois estávamos a pisar o altar!

 

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Houve vários. Aliás, na verdade, acho que tivemos as estrelinhas todas alinhadas e no final podemos dizer que a grande maioria dos nossos serviços foram ao encontro daquilo que procurávamos, considerando o pouco tempo de preparação que tivemos. Mas a ter que realçar, não posso deixar de parte a fotografia da Meraki Studio, o vídeo dos Sublime Films e as flores da Artflor.

A fotografia da Meraki Studio não foi uma surpresa. Já tínhamos tido a oportunidade de conhecer o trabalho da Daniela, que nos encantou pelo seu registo, subtileza e atenção. Conhecê-la só tornou a escolha ainda mais óbvia. Foi por isso a primeira e única fornecedora que contactámos porque tivemos a felicidade de ter a data do nosso “felizes para sempre” disponível. Escolha fácil.

O vídeo dos Sublime Films foi o nosso mais incrível a agradável azar! Estávamos com muita dificuldade em arranjar um fornecedor na área do Porto com data disponível, com um portfólio no registo que pretendíamos, mas em tão pouco tempo e com uma data marcada parecia uma tarefa hercúlea. Já depois de muitíssimas pesquisas e contactos gorados, num belíssimo domingo, descobrimos os Sublime. Enviámos mensagem, a resposta foi rápida e a prestabilidade ainda maior. Marcámos reunião que nos surpreendeu por ser tão descontraída e por evidenciar grande sensibilidade em nos compreenderem tão rapidamente no trabalho que procurávamos.

O seu sentido estético, a edição de vídeo, o bom gosto, a atenção aos detalhes mas acima de tudo a emoção que imprimem em cada um dos seus trabalhos só nos entusiasmou mais. Sentimos a empatia. Daí a um simples “S”, a distância foi muito curta. O resultado: um trabalho magnífico! Não podíamos estar mais felizes por ter sido a Marta e o Rui a “record”ar o nosso dia!

A Artflor Flores da Célia foi óptimo, de tão fácil. A Célia é uma pessoa humilde com um talento nato para as flores e com um bom gosto já difícil de encontrar. Falámos-lhe do nosso gosto menos “requintado” e mais campestre e depositámos a nossa confiança de forma quase cega. Ficou tudo tal e qual imaginámos: simples e bonito. Bouquet, grinaldas, arranjo de lapela do noivo e dos meninos das alianças, pulseiras das madrinhas, arranjos para a “Vespa”… “Menos é mais” era a nossa regra, e não falhou!

 

 

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

É muito difícil e desgastante ter um dia planeado ao milímetro e que tivesse de ser fiel às nossas ideias. Sabíamos disso. Por isso, tivemos de abordar o desafio com o espirito certo: criámos apenas critérios com uma baliza relativamente ampla para que cada um dos fornecedores tivesse margem para efetcuar ajustes sem que nós ficássemos de alguma forma frustrados por estarmos demasiado presos a ideias. O critério mais rígido que tivemos foi o de que os convidados vivessem um dia bonito e que testemunhassem um dia de amor de duas pessoas que se sentiam livres e felizes. No final, o resultado foi totalmente a “nossa cara”.

Obviamente que tivemos ajuda. A parte de design gráfico foi fundamental para criar os detalhes e personalizar de uma forma tão encantadora o nosso casamento.

Mas os ingredientes estavam todos lá: uma mesa grande com a toda a família, um espaço muito campestre e descontraído, uma cerimónia religiosa muito diferente e personalizada com o “nosso” Padre Felix e muita alegria. Estávamos muito felizes!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Fundamental!? A leveza do dia, descontraído e alegre, sem protocolos e que toda a gente presente disfrutasse de um belo dia.

Sem importância… No sentido contrário do que era fundamental, tenho de dizer que os protocolos não eram de todo importantes. Pelo contrário. O formalismo e magnificência não eram de todo importantes.

 

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil: fotografia e flores. Como definir? Descomplicado.

O mais difícil: o processo religioso de casamento. Não o casamento, mas o processo administrativo, com a envolvência de várias pessoas fundamentais para o tratar, revelou-se “pesado” e de alguma forma stressante.

 

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A cerimónia. Foi longa, nós sabemos!! Mas estamos inocentes nesse capítulo… Foi preparada por nós com o apoio do Senhor Padre Felix (celebrante). Conseguimos criar muitos momentos especiais, de cumplicidade e muita intensidade. O melhor momento? Houve vários, mas a troca dos votos além de invulgar foi, para nós, muito emocionante!

 

 

 

 

 

 

E o pico de diversão?

A surpresa que os malandros dos amigos e família prepararam. Uns malucos!

 

Um pormenor especial…

Só um…? Tínhamos bastantes detalhes da nossa vida naquele dia… Aqui acho que foi fundamental o design e o grafismo e isso ficou muito presente em todos os cantinhos como o Livro de Honra, as mesas, a recepção aos convidados, os leques, as ofertas, as máquinas fotográficas… Foram tantos que, de certeza, nos está a escapar alguma coisa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada. Nenhuma.

Faz parte da nossa história e é assim que a queremos contar e recordar. Nada é perfeito e por isso esta imperfeição tem tanto de “Belo” que por mais “Piqueno” que pareça ter sido o dia, foi o que de melhor tivemos para oferecer aos nossos convidados e amigos. Nós adorámos e ficámos muito agradecidos a todos os que nele participaram.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

E noivos também… Na verdade o que sentimos, mais do que o “sim” ao “aceitas casar comigo?” meses antes do casamento, é que tem de haver uma grande partilha e entreajuda em todos os momentos e decisões. Acreditem que tudo parece mais leve e fácil. Vão existir momentos em que as decisões vão passar por cedências de um de nós em prol do outro, mas a verdade é que este processo só vos vai ajudar a fortalecer aquilo que de bonito já existe. Por isso “fujam” do mais fácil: ela escolhe e ele diz que sim!

Outro conselho importante: criem empatia com os vossos fornecedores. Eles é que vão tornar o vosso dia mais “vosso”.

Chegado o grande momento, relaxem e divirtam-se!!!

 

 

 

 

 

 

E agora a segunda dose, em movimento. Bom fim-de-semana!

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites, materiais gráficos e ofertas aos convidados: Riska| Design Comunicação – Ana Tavares e Sara Figueiredo;

local, catering e bolo dos noivos: Quinta da Costeira, em Carregosa, Oliveira de Azeméis;

fato do noivo e acessórios: fato Augusto Saldanha, camisa Atelier da Camisa, ambos feito à medida, gravata Wickett Jones;

grooming do noivo: Barbas Shop

vestido de noiva e sapatos: Jesus Peiro Porto;

maquilhagem e cabelo: Jani Cardoso Hair & MakeUp;

bouquet de noiva: Artflor – Flores da Célia;

decoração: elementos dos noivos e da Quinta da Costeira;

fotografia: Meraki Studio;

vídeo: Sublime Films;

luzes, som e Dj: MusicBox.

 

 

Susana Pinto

Casamento na Quinta da Pacheca: Iris + Nuno

Hoje trazemos um casamento na Quinta da Pacheca, em pleno Douro, captado pela dupla Vanessa & Ivo – Handmade Films.

É o dia bonito da Iris + Nuno, vindos de Londres para casar perto de casa, com os amigos e a família por perto.

Juntem-se a nós, são quase 4 minutos de felicidade e um maravilhoso vestido de noiva às riscas!

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Um convívio descontraído com a família e amigos.

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Muito preparados – pelo menos a Iris! Já tínhamos falado em casar, e quando o pedido foi oficial já tínhamos identificados alguns dos fornecedores com quem gostaríamos de trabalhar.

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

A primeira vez que visitámos a Quinta da Pacheca, soubemos logo que tínhamos encontrado ‘o sítio’. Acho que tivemos muita sorte com todos os fornecedores, pois acertamos à primeira em quase todos, o que facilitou toda a organização.

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Conseguimos que tudo se alinhasse como queríamos. Eu consegui organizar o casamento à distância e tivemos um ano para tratar de tudo. Não contámos com ajuda de um wedding planner na organização do casamento, mas tivémos a ajuda de todos os profissionais no dia.

Todos os fornecedores estiveram sempre disponíveis para video chamadas e e-mails para acertarmos todos os detalhes, o que foi essencial pois vivemos em Londres.

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

A presença de todos os convidados era o fundamental, de forma a partilharmos a nossa felicidade.

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Escolher o vestido de noiva foi o mais fácil! Apaixonei-me por ele mal o vi no Instagram da estilista. Difícil foi encontrar uma loja que o tivesse, pois quando o vi ainda não estava disponível em nenhuma loja em Londres, chegou às lojas uns meses depois de o ter visto pela primeira vez. O mais difícil foram os sapatos!

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

Foi, para os dois, a troca de olhares à entrada da igreja.

 

E o pico de diversão?

Tivemos vários, mas talvez a nossa entrada no salão ou quando o noivo tomou o bar de assalto!

 

Um pormenor especial…

As fotografias dos nossos avós a entrada do salão. Foi a forma que encontrámos de os termos por perto neste dia tão especial.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Sim, acrescentar algumas horas ao dia!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

O mesmo que recebi tantas vezes, e que, se calhar, não dei o devido valor. O dia do casamento passa a voar! Quando acordarem, comecem o dia com um banho longo e desfrutem ao máximo cada minuto sem se preocuparem com os detalhes porque se alguma coisa correr menos bem, ninguém se vai aperceber de nada!

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Diana Martins;

local, catering, bolo dos noivos e decoração: Quinta da Pacheca;

fato do noivo e acessórios: Hacket London;

vestido de noiva e sapatos: vestido Miss Hayley Paige, sapatos Dolce & Gabanna;

maquilhagem: Barbara Brandão;

cabelos: João Pereira Hair Designer;

bouquet de noiva e fotografia: Brancoprata;

ofertas aos convidados: Alga Plus e Kamarta – Quitutes da Terra;

vídeo: Vanessa & Ivo – Handmade Films;

luzes, som e Dj: DJ Kadu.

 

Susana Pinto

Casamento na Quinta das Silveiras: Andrea + Emanuel

Esta semana temos um casamento que é todo ele feito de doçura e sorrisos maravilhosos.

É o mais bonito dos dias (garantidamente!) da Andrea + Emanuel, na Quinta das Silveiras em Leiria.

E sabem porque é que é tão especial?

Porque foi exactamente isso que a Andrea me contou, num email bonito e muito gentil. Escolheu no Simplesmente Branco os seus fornecedores perfeitos (contei cinco dos actuais e outros dois que já passaram por cá), e a satisfação foi total – fazia as mesmas escolhas outra vez!

É sempre um prazer imenso ouvir estes casos de amor: as histórias dos noivos e a sintonia com os profissionais. Saber que, de alguma forma, contibuímos um bocadinho para esse dia de sonho, é magnífico!

Deliciem-se com os sorrisos contagiantes da Andrea e do Emanuel. Com eles estiveram a Invite –  Momentos Felizes, a Quinta das Silveira / Iguarias do Tempo, o Coro Génesis a surpreender a noiva na cerimónia, a Jukebox a animar a pista de dança, e a Teresa e o Dado da Arte Magna a fotografar.

Venham ver!

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Sem dúvida, especial, queríamos que fosse o conto de fadas com que sempre sonhámos. Sabíamos exactamente o que queríamos, simplicidade, elegância e que cada pormenor tivesse um toque especial das nossas vivências, família e amigos.

 

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Inicialmente, achámos que não estaríamos preparados para organizar um evento tão íntimo e em que cada pormenor conta. Mas desejávamos tanto este dia, que estávamos os dois focados para que fosse único e inesquecível. Mas, claro, há sempre alturas que nos deixam com aquele nervosismo, principalmente quando queremos tudo na perfeição. Mas, com a preciosa ajuda de todos os fornecedores, este caminho tornou-se mais simples e tranquilo. Toda a preparação já nos deixa saudades.

 

 

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

No momento em que escolhemos a quinta. Visitámos várias quintas, mas para nós era importante que o local espelhasse os nossos desejos. Após a visita à Quinta das Silveiras e falarmos com a Susana, o nosso sorriso disse tudo… era sem dúvida ali que seria o nosso dia.

 

 

 

 

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

O resultado final foi, sem dúvida, fiel ao que tínhamos idealizado. Sabíamos o que queríamos e o Simplesmente Branco ajudou-nos a encontrar os fornecedores ideais para o concretizar. Tivemos a sorte de nos cruzar com a Susana, que foi incansável na preparação do casamento. Sentimos que podíamos estar tranquilos, porque tudo ia estar perfeito.

Ainda assim, todos os fornecedores nos ajudaram a tornar este dia inesquecível.  Contámos também com a ajuda de amigos e familiares.

 

 

 

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

Primeiro, que desfrutássemos do nosso dia.

Depois, queríamos que os convidados sentissem que a festa também era para eles e que se sentissem parte deste dia.

O Emanuel é de Braga e estamos no Porto há 10 anos, por isso tínhamos convidados que fizeram cerca de 200 Km para poderem testemunhar este dia. Queríamos que, no final, sentissem que certos pormenores tinham sido pensados para eles.

Procurámos mimar todos os convidados com pequenos detalhes, desde os mais graúdos aos pequenotes. Queríamos que todo sentissem que a sua presença era importante para nós.

O catering também era fundamental para nós; queríamos que fosse cheio de sabor e que deliciasse os nossos convidados.

Sem importância? Após dois meses de casamento somos unânimes a dizer que achamos que não há nada sem importância. Se não é importante, é porque não é essencial.

 

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

Para os dois, durante a preparação, o mais fácil foi sem dúvida a escolha da quinta e dos fotógrafos Arte Magna.

Desde o primeiro momento, percebemos que, para além da qualidade fotográfica dos trabalhos da Teresa e do Dado, a sua personalidade divertida, mas ao mesmo tempo profissional e o seu à-vontade em todas as situações, foi tão importante para o nosso casamento, que temos a certeza que a nossa relação ultrapassou em muito a esfera profissional e os consideramos como convidados do nosso casamento.

A escolha do fato, gravata e sapatos para o noivo também foi uma tarefa fácil: saiu num dia e voltou com tudo comprado.

Já para mim, a escolha dos sapatos foi uma tarefa difícil, mas encontrei exactamente o que queria. Um sapato sofisticado, elegante, mas confortável (missão comprida, consegui usar o dia todo) e que pudesse usar em outras ocasiões. A escolha dos videógrafos também foi uma tarefa difícil. Inicialmente achamos que seria um investimento muito grande, mas logo percebemos que queríamos também captar todos os momentos em vídeo. Ficamos rendidos à qualidade da I Do Films, motivo pelo qual foi a nossa escolha.

No dia, depois de atravessar a igreja, tudo se tornou fácil, porque tudo foi fluindo.

 

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A entrada na igreja e o nosso olhar foi talvez o momento mais marcante. A partir dessa altura, tinha mesmo chegado o dia!

 

E o pico de diversão?

Logo após a cerimónia religiosa, quando nos juntámos aos nossos convidados, vivemos momentos de pura alegria e diversão. É difícil escolher só um, mas talvez a atuação da Tuna e a abertura da pista.

 

 

 

 

 

Um pormenor especial…

A escolha do coro, foi sem dúvida um pormenor especial, especialmente para mim, pois o Emanuel, desde o início, disse que seria uma surpresa e que ele trataria de tudo. Quando entrei na igreja e percebi que era o Coro Genesis fiquei muito emocionada e sem palavras. Já os tínhamos ouvido numa demonstração e eu tinha ficado deliciada, mas o Emanuel deu a ideia de ser a Tuna a cantar na Igreja e eu acreditei até ao último momento.

A adoração a Nossa Senhora, acompanhada pela Avé Maria de Bach/Gounod, foi um momento de grande sentimento.

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada! Não conseguíamos imaginar um dia mais especial.

 

 

 

 

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Falem atempadamente com os fornecedores e acima de tudo escolham aqueles com quem mais se identificarem, pois eles são fundamentais para tornar o vosso dia seja especial e como o idealizaram.

Vão certamente ouvir inúmeras vezes “o dia passa a correr” e é verdade! Tentem mesmo aproveitar o dia, relaxem e divirtam-se… Acima de tudo: o dia é vosso, por isso deleguem funções para que não estejam preocupadas. E no dia, tudo se resolve.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

convites e materiais gráficos: Invite –  Momentos Felizes e algumas coisas feitas pelos noivos;

local, catering e decoração: Quinta das Silveira / Iguarias do Tempo;

bolo dos noivos: Brisa Norte;

fato do noivo e acessórios: fato Hugo Boss, relógio de bolso Eletta e botões de punho do pai do noivo;

vestido de noiva e sapatos: vestido Rosa Clará, sapatos Rachel Simpson adquiridos na Pureza Mello Breyner e o toucado da Chapeauxik;

maquilhagem: Vânia Oliveira;

cabelos: Luísa (a minha cabeleireira desde criança);

bouquet de noiva: Fatiflor;

ofertas aos convidados: sabonetes de flores brancas da Fábrica Confiança com o grafismo da Invite –  Momentos Felizes; livro de actividades com lápis de cera para os mais novos, feito pelos noivos;  Photobooth da BoothCenter;

fotografia: Arte Magna;

vídeo: I Do Films;

coro da cerimónia: Coro Génesis;

luzes, som e Dj: Jukebox.

Susana Pinto

Casamento Histórias com Alma em Ponte de Lima: Ariana + Bruno

É sempre um prazer dar um pulinho à Casa Grande do Fontão, em Ponte de Lima, onde a Histórias com Alma desenvolve o seu belo trabalho. O casamento de hoje não é excepção, como podem ver pelas bonitas fotografias do Luís Mateus e Marta Barata, a dupla Lounge Fotografia.

Este foi o dia “mais-que-perfeito” da Ariana + Bruno, e, deste lado, só podemos concordar! Simplificar foi a palavra de ordem, sem nunca perder a delicadeza, o romance e uma elegância intemporal que atravessa tudo. Juntaram as suas pessoas do coração, entre amigos e família, e seguiram o nosso lema: menos, é mais.

Que dia bonito este e que festa bestial!

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Tal e qual como foi, simples, mas repleto de detalhes e significados. Queríamos um dia mágico, genuíno, rodeados das pessoas de quem mais gostamos.

 

 

 

 

 

 

Quando a resposta foi “sim!”, como é que imaginaram o vosso dia?

Tal e qual como foi, simples, mas repleto de detalhes e significados. Queríamos um dia mágico, genuíno, rodeados das pessoas de quem mais gostamos.

 

 

 

 

 

Sentiam-se preparados ou foi um caminho com muitos nervos?

Estivemos sempre bastante tranquilos. Tivemos 4 meses e meio, desde o “sim” até ao dia do casamento, mas mesmo com pouco tempo conseguimos organizar tudo exatamente como queríamos e sem stress.

 

 

 

 

 

 

Em que momento da organização do casamento é que sentiram, «é mesmo isto»?

Desde o primeiro minuto… sabíamos muito bem o que queríamos.

Quando reunimos com a Ana e com Francisco da Historias com Alma tivemos a certeza de que podíamos ficar descansados porque eles iam tornar o “nosso dia de sonho”, realidade! E assim foi. O mesmo se passou com o vestido de noiva, fato de noivo, maquilhagem, cabelo, com o Dj, a fotografia…

Foi amor à primeira vista com todos os nossos fornecedores.

 

 

 

 

 

 

 

 

O resultado é fiel às ideias iniciais ou muito diferente? Contaram com alguma ajuda?

Sim, não acrescentávamos uma vírgula. Escolhemos os fornecedores certos e essa foi, sem dúvida, a melhor ajuda.

 

 

 

 

 

 

 

O que era fundamental para vocês? E sem importância?

O fundamental era estarmos rodeados dos nossos amigos e familiares e que o dia reflectisse aquilo que somos. Para nós não era importante seguirmos demasiadas regras e protocolos, queríamos que toda a gente estivesse bem e se divertisse connosco.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O que foi mais fácil? E o que foi mais difícil?

O mais fácil foi a escolha do espaço, a Casa Grande do Fontão foi cenário perfeito para partilharmos a nossa história.

O mais difícil… talvez o fim da festa… no dia seguinte já estávamos com vontade de nos casarmos outra vez!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Qual foi o pico sentimental do vosso dia?

A leitura dos nossos votos e as palavras carinhosas da Dra. Sónia (a conservadora civil da Conservatória de Ponte de Lima).

 

E o pico de diversão?

A abertura da pista… e o lançamento do ramo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um pormenor especial…

As lembranças para os convidados feitas por uma amiga nossa, que é ceramista. Fez uns passarinhos que ficaram muito queridos. E.… ver os nossos filhos super felizes e emociados.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agora que já aconteceu, mudavam alguma coisa?

Nada! Foi tudo Mais-Que-Perfeito!

 

Algumas words of advice para as próximas noivas…

Descompliquem… Menos é mais!

 

 

Os fornecedores envolvidos:

 

espaço, decoração, bouquet de noiva, convites e materiais gráficos: Histórias com Alma;

catering e bolo dos noivos: Banquetes A.Duarte, para Histórias com Alma;

fato do noivo e acessórios: fato e gravata Sarto Teles, sapatos Undandy;

vestido de noiva e sapatos: vestido Rute Moreda/Manuela Noivas, sapatos Uterque;

maquilhagem: Marlene Vinha;

cabelos: Bruno Bessa Cruz, Pêlos Cabelos;

ofertas aos convidados: Clara de Sousa Vicente, ceramista;

fotografia: Lounge Fotografia;

luzes, som e Dj: Dj Joseph Garage.