Created with Sketch.
Ana Apolinario

À Conversa com… BrancoPrata

Desde 2003 que a BrancoPrata concede beleza e elegância a cada projeto que abraça, quer na área da fotografia como no design floral & styling, criando “o extraordinário, o requintado e o autêntico”, sem se deixar condicionar por modas passageiras.

 

No Simplesmente Branco somos fãs do trabalho da dupla Sofia Ferreira & André Teixeira. Escolhemo-los, por isso, para mais uma boa conversa, que partilhamos hoje convosco para darmos as boas vindas a este promissor mês de abril. Porque tudo na BrancoPrata é luz, beleza, felicidade e otimismo! Aliás, foi precisamente este “lado bom” dos casamentos que os fez dedicar-se a esta área. “O casamento é um momento de alegria, de compromisso, de celebração do amor. É algo intimamente ligado a positividade e felicidade e, tendo em conta as nossas personalidades, e ao facto de vermos a vida sempre de uma forma tão otimista, fez e faz todo o sentido trabalhar nesta área!”

 

E, para nós, fez todo o sentido trazê-los hoje, aqui, revelando as suas motivações, experiências, desafios, paixões e interesses. Porque se as imagens falam por si, as palavras enriquecem-nas. Fiquem, por isso, a conhecer melhor a BrancoPrata. Na primeira pessoa.

 

Foto BrancoParta noivos a correr style

About Brancoprata

 A palavra chave aqui é mesmo essa: “pessoas”. É a nossa equipa que melhor caracteriza o ADN da nossa marca (…) Por acreditarmos tanto em cada um dos elementos da Brancoprata, sabemos que o caminho só pode ser “em frente” (…) Acreditamos no poder do indivíduo e em tudo aquilo que pode fazer em grupo.

BrancoPrata é uma referência na fotografia nacional e internacional. Mas BrancoPrata não é apenas um estúdio fotográfico, é um estúdio criativo e multidisciplinar. Como descreveriam a vossa marca, o vosso ADN?

A fotografia é apenas uma parte da Brancoprata, nem mais nem menos importante que todas as outras. Acaba muitas vezes por ser uma luta diária, explicar às pessoas que não somos apenas uma empresa dedicada à fotografia!

 

De uma forma mais prática, a Brancoprata dedica-se essencialmente a duas áreas distintas: eventos sociais e trabalho corporativo. A nossa equipa é, por isso mesmo, composta por pessoas que estão preparadas para dar resposta aos nossos clientes na área do design floral & styling, e obviamente na parte da fotografia.

 

E sentimos que a palavra chave aqui é mesmo essa: “pessoas”. É a nossa equipa que melhor caracteriza o ADN da nossa marca. Sem a sua dedicação e valor pessoal, não conseguiríamos nunca estar há tanto tempo em atividade. Por acreditarmos tanto em cada um dos elementos da Brancoprata, sabemos que o caminho só pode ser “em frente”. A resiliência, a capacidade de encarar qualquer desafio que apareça e a constante necessidade de querer evoluir e fazer mais e melhor, é algo que definitivamente faz parte do nosso ADN. Para nós, o impossível não é uma opção, é mais um desafio a ser superado!!

 

É esse ADN que vos distingue da “multidão”?

Confessamos que nunca nos preocupamos muito em perceber o que nos distingue da multidão, até porque sentimos que cada pessoa que faz parte dessa “multidão” tem algo distinto e único que a torna diferente de todas as outras.

 

Acreditamos no poder do indivíduo e em tudo aquilo que pode fazer em grupo, talvez seja essa também uma das características do nosso ADN!

 

foto brancoprata noiva

foto brancoprata

E assim nasce “um amor”

O casamento é um momento de alegria, de compromisso, de celebração do amor.

Qual é a vossa história? Como chegaram ao mundo dos casamentos? E porquê os casamentos?

A nossa história começa em 2002, se bem que o projeto Brancoprata só arranca a sério em 2003, no dia 17 de Junho. Nasce (como tantas outras histórias) da vontade de querer fazer algo criativo e que fosse um reflexo das nossas personalidades, da nossa forma de ser, da maneira como encaramos as coisas, do potencial que sentíamos ter para criar coisas bonitas

 

Aquela necessidade de expressão, de encontrar um propósito de vida, ou simplesmente de querer fazer parte de um projeto que nos fizesse acordar de manhã sempre motivado, feliz e com vontade de tomar conta do mundo.

 

O casamento é um momento de alegria, de compromisso, de celebração do amor. É algo intimamente ligado a positividade e felicidade, tendo em conta as nossas personalidades, e ao facto de vermos a vida sempre de uma forma tão otimista, fez e faz todo o sentido trabalhar nesta área!

 

Foto brancoprata casamento

foto brancoprata preto e branco casamento noivos

O Porto. As pessoas, sempre.

O regresso a casa, ao nosso Porto, é sem dúvida a nossa maior fonte de inspiração. (…) E já dizia Agustina Bessa-Luís: “O Porto não é uma cidade, é um sentimento!”

É o Porto, ponto.

O que vos inspira a fazer o vosso trabalho, a criar as imagens que criam?

As imagens são o resultado final do tal trabalho de equipa que falamos antes, começam muitas vezes por nascer de um conceito, uma ideia, uma parte da direção criativa que fazemos.

 

São o produto de tudo o que vivemos, das pessoas que conhecemos, das histórias das quais fizemos parte. As imagens são também parte do nosso ADN e não resultado dele.

 

E quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem? Como é que mantêm a vossa perspetiva fresca e inspirada?

Apesar do nosso trabalho nos “obrigar” a viajar muito, a conhecer novos locais, culturas e, acima de tudo, pessoas que nos acabam por inspirar e perceber o quão diverso o mundo é… o regresso a casa, ao nosso Porto, é sem dúvida a nossa maior fonte de inspiração. Estas ruas, estas pessoas, esta luz que ninguém fala, esta alma, esta forma tão acérrima de sentir a nossa “casa”, é e será sempre a nossa maior fonte de inspiração. Sem o Porto, a Brancoprata seria uma marca completamente diferente, pois esta cidade tem um impacto brutal em todo o que criamos e fazemos, em todos os projetos que almejamos fazer e acima de tudo, na alegria que, passados 18 anos, sentimos por aquilo que escolhemos fazer!

 

E já dizia Agustina Bessa-Luís:  “O Porto não é uma cidade, é um sentimento!”

 

É o Porto, ponto.

fotografia brancoprata noivos beijo

São as pessoas que nos inspiram a fotografar. (…) Não faz sentido para nós criar um conceito de casamento que não seja um reflexo das pessoas.

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo de casamento?

As pessoas. Provavelmente e correndo o risco de nos tornarmos repetitivos, são as pessoas que nos inspiram a fotografar. As suas histórias, os seus percursos na vida, as suas personalidades, as expectativas que têm, os sentimentos que nutrem por aqueles que mais amam. O facto de existirem e serem indivíduos (únicos e distintos de todos os outros) é uma fonte de inspiração inesgotável.

 

Qual é a melhor parte de criar o conceito do casamento, quer ao nível da decoração e styling?

Esta resposta poderia perfeitamente ser uma cópia da anterior. Não faz sentido para nós criar um conceito de casamento que não seja um reflexo das pessoas. Não pode ser nunca uma questão de tendências ou do que gostaríamos de criar para o nosso portfólio, mas sim do que é verdadeiramente importante para os nossos clientes, neste caso concreto, os nossos noivos. O ponto de partida terá sempre que ser esse…

 

 

casamento asiático foto brancoprata

Química. Tão simples assim

O nosso objetivo será sempre atrair pessoas que gostam daquilo que fazemos, que se sentem atraídos pelo tipo de trabalho que partilhamos, pelos valores que defendemos, pela forma como comunicamos

Como definiram o vosso target? O vosso site, por exemplo, é apenas em inglês, porque tomaram essa opção?

Essa decisão foi feita já há mais de 10 anos. A verdade é que aconteceu naturalmente e sem um plano especifico para que assim fosse. Numa altura em que as redes sociais davam os primeiros passos, facilmente percebemos que era possível percorrer o mundo com um tweet apenas e rapidamente estávamos conectados com pessoas que falavam diversas línguas. O Inglês acabou por ser a escolha mais clara, uma vez que é muitas vezes considerada a língua universal.

 

O nosso objetivo será sempre atrair pessoas que gostam daquilo que fazemos, que se sentem atraídos pelo tipo de trabalho que partilhamos, pelos valores que defendemos, pela forma como comunicamos e que entendem que, de facto, na Brancoprata acreditamos no poder da personalização, que ouvimos verdadeiramente os nossos clientes e que podem sempre esperar de nós toda a dedicação e atenção a cada projeto.

 

Pedem-nos muitas vezes para definir o nosso tipo de cliente, mas hoje em dia não é assim que queremos fazer as coisas… não queremos dizer que o nosso cliente “tipo” gosta de determinadas coisas ou ouve determinado tipo de música ou janta em restaurantes específicos… o nosso “cliente tipo” (seja ele qual for), vê o nosso trabalho e sente-se atraído por ele, identifica-se com ele, depois conhece-nos e existe logo uma química entre nós e sabem que somos a escolha certa e, por outro lado, nós sentimo-nos entusiasmados em fazer parte deste casamento. Tudo resto passa sempre para um plano mais secundário.

 

 

foto noiva preto e branco brancoprata

foto brancoprata mãe arranja noiva preto e branco

Um dia à escala do (vosso) sonho

Fotografar e construir todo o styling de um casamento é diferente de cada vez que trabalhamos com casais diferentes. (…) estaremos lá de alma e coração a dar o nosso melhor, para que, no final, eles e nós sintamos que o resultado não poderia ter sido melhor.

Fotografar e construir todo o styling de um casamento estrangeiro é diferente de o fazer para casamentos nacionais?

Não vemos as coisas desse modo! Fotografar e construir todo o styling de um casamento é diferente de cada vez que trabalhamos com casais diferentes. Obviamente que o sítio de onde são provenientes tem implicação na criação, mas apenas porque é algo que faz parte das pessoas, da sua cultura, dos seus valores, e isso é sempre levado em conta quando estamos a trabalhar. Podem ser Portugueses, Espanhóis, Ingleses, Americanos… enfim, isso é parte da sua história e é sempre tido em conta.

 

Agora não podemos avaliar as coisas como “os nossos e os outros”, simplesmente não faz sentido para nós.

 

Qual o tipo de festa que mais gostam de registar? Casamentos íntimos ou miniweddings, festas de arromba ou elopements, casamentos boho, clássicos ou modernos…?

O que os noivos decidirem ser o seu tipo de festa. O mais importante é que as escolhas que façam estejam alinhadas com o que pretendem, pois delas irá depender a forma como encaram o dia. Por isso, se estiverem felizes com uma festa de 10 pessoas ou 200 convidados, isso é o mais importante.

 

Para além disso, não é segredo que sentimos sempre muita resistência em rotular os casamentos dessa forma… as pessoas não são, apenas e só boho, ou clássicas ou modernas… são muito mais do que uma categoria.

 

E se existir da parte deles uma conexão com a Brancoprata, se todos sentirmos que, de facto, somos a melhor opção para fazer parte do casamento deles… o resto não interessa, estaremos lá de alma e coração a dar o nosso melhor, para que, no final, eles e nós sintamos que o resultado não poderia ter sido melhor.

foto brancoprata casamento civil ar livre noivos

estacionário casamento brancoprata

O verdadeiro desafio é encontrar beleza em tudo aquilo que nos rodeia, mesmo que não seja fácil à primeira vista. (…)  Estar preparados para qualquer eventualidade

Que locais são os mais bonitos para celebrar e fotografar um casamento?

Todos. O verdadeiro desafio é encontrar beleza em tudo aquilo que nos rodeia, mesmo que não seja fácil à primeira vista. A maior parte das vezes, os noivos escolhem um espaço, porque de certa forma criaram uma conexão com o local, sentiram que aquele era o sítio certo.

 

Há que honrar essa escolha e fazer o nosso melhor para criar e fotografar a melhor experiência possível.

 

O que é que consideram mais desafiante num dia do casamento e como enfrentam esse desafio?

O tempo ou, muitas vezes, a falta dele. As horas passam demasiado depressa (e não é apenas para os noivos e convidados, é para toda a equipa de fornecedores ligada à festa), e é fácil sentir que “gostaríamos de ter um pouco mais de tempo”.

 

Para lidar com isso, sentimos que o segredo é organização e implementação de sistemas que nos dão paz de espirito e que permitem que a nossa criatividade tenha espaço para crescer. Estar preparado para qualquer eventualidade no dia de um casamento foi uma lição que aprendemos ao longo dos anos (muitas vezes da pior maneira possível), e que hoje em dia, sabemos que é imprescindível na Brancoprata. Pode existir um plano A e um plano B… mas pelo sim pelo não, vamos pensar também num plano C e num plano D.

 

foto brancoprata noiva entrar na igreja

Foto brancoprata noiva

E se…

A nossa maior prioridade serão as “nossas pessoas” e nós os dois, o resto acontecerá naturalmente.

Se casassem agora, que tipo de escolhas fariam?

Se calhar o melhor é começar por dizer que nós ainda não somos casados.

 

Dito isto, o que podemos dizer em relação às nossas escolhas para o nosso casamento:

 

Seremos totalmente fiéis às nossas personalidades, não faremos qualquer escolha baseada em tendências ou rótulos pré definidos. Seguiremos sempre o nosso instinto e vontade. Faremos sempre uma reflexão muito nossa, muito própria, acerca do que é importante para nós no que diz respeito ao ato de casar. Pensaremos nas coisas que mais valorizamos, o que não abdicamos e, acima de tudo, o que é de facto imprescindível para nós.

 

Iremos definir um orçamento baseado nas nossas capacidades e sonhar dentro desse orçamento. Iremos tomar as decisões o mais sustentáveis possíveis para o nosso casamento, pois esta é e será sempre uma das nossas maiores preocupações.

 

Não iremos sentir a pressão de querer fazer algo diferente, só porque trabalhamos na área dos eventos! Ou de escolher um determinado fornecedor, porque é amigo ou conhecido!!

 

A nossa maior prioridade serão as “nossas pessoas” e nós os dois, o resto acontecerá naturalmente.

 

foto brancoprata noivos fashion moda

a conversa com brancoprata

Impossível não é uma opção

Encarar as coisas numa perspetiva de evolução e não de sobrevivência, de continuidade, de permanência e, acima de tudo, de crescimento.

Como foi 2020 e está a ser 2021 para vocês?

Estão a ser anos de crescimento, de validação. Perceber que acreditamos, de facto, nas coisas que defendemos… e de repetir todos os dias: “impossível não é uma opção”!

 

Em 2020 apenas fizemos 1 casamento em janeiro, ainda antes da pandemia. Todos os outros foram adiados. Em 2021, grande parte dos nossos eventos foram novamente adiados. O último casamento que fizemos foi há 1 ano e 2 meses, “coisa” nunca vista em 18 anos de atividade.

 

Seria mais fácil, sem dúvida, estar aqui a culpar a pandemia, escrever queixas da má sorte, mas a verdade é que não conseguimos fazer isso. Estamos bem, com saúde, a nossa família e amigos também, e estamos a trabalhar, a equipa a crescer, ao contrário de tantos fornecedores que, infelizmente, prestam serviços em áreas que estão completamente paradas e que não têm autorização para trabalhar. Perante essas situações, como poderíamos dizer que estão a ser tempos impossíveis para nós??

 

Se é um desafio? Claro que é! Mas cá estamos cheios de vontade e força para dar resposta e ver a possibilidade de crescer e não apenas resistir!

 

Encarar as coisas numa perspetiva de evolução e não de sobrevivência, de continuidade, de permanência e, acima de tudo, de crescimento.

 

Do ponto de vista pessoal, não tem sido fácil estar longe da família e dos amigos próximos (no último ano contam-se pelos dedos de uma mão as vezes que estivemos juntos), mas encaramos isso como algo necessário e imprescindível.

 

fotografia brancoprata moda

foto brancoprata

O que nos dizem a…

 

A vossa relação com o Simplesmente Branco remonta aos “inícios”. Como estão a ver esta mudança?

Encaramos sempre a mudança como algo positivo, algo que nos faz crescer e evoluir. O mesmo se passa em relação ao Simplesmente Branco. É um novo capitulo, com um respeito enorme em relação aos anteriores, uma oportunidade para crescer e superar novos desafios.

 

foto brancopraa rio margem

Escolham uma imagem favorita do vosso portfolio e contem-nos porquê.

Seria tão injusto fazer essa escolha… como escolher uma imagem de entre milhares? Como dar mais importância a um casal do que todos os outros? Como fazer essa avaliação? Obviamente que existiram histórias que nos tocaram de uma forma especial, presenciamos momentos que nos deixaram um imenso nó na garganta, gargalhadas que demos, daquelas que ficamos com o estômago a doer de tanto rir… mas escolher apenas um?… Seria impossível!

 

foto brancoprata noiva com bouquet branco

O que gostavam de dizer aos nossos leitores/noivos e que ainda não tenham dito nas vossas respostas a estas perguntas?

Na vida apenas e só uma coisa não tem solução… e todos sabemos qual é essa “coisa”. O resto, terá sempre uma forma misteriosa de funcionar, seja de que maneira for.

 

Ser fiel às nossas crenças, aos nossos valores e à nossa identidade, e, acima de tudo, seguir o nosso instinto é o maior presente que qualquer um de nós pode deixar. Se todos dermos o nosso melhor em tudo o que fazemos, seremos sempre muito mais felizes, e essa será sempre a maior recompensa em todas as escolhas que fazemos.

 

fotobranco prata noiva com a mãe

3 conselhos para os noivos…

Respirar, confiar e desfrutar

foto brancoprata noivos ao pé de árvore

 

Se quiserem conhecer melhor a BrancoPrata visitem o website e/ou as redes sociais, como o Instagram.

Ana Apolinario

À conversa com: Cristiana Simões, nova diretora do Simplesmente Branco

1 de março. O dia que marca o arranque de uma nova etapa na vida do Simplesmente Branco e o início daquela que será uma bonita caminhada a dois com a Zankyou Portugal. Estamos muito entusiasmados com este casamento, que estivemos a preparar durante as últimas semanas, quais noivos a preparar o seu grande dia! Tudo para fazermos (ainda) mais felizes quem nos lê e procura nas nossas palavras e sugestões, nos nossos fornecedores e parceiros, as ideias e as soluções para que possam viver o seu casamento tal como sempre sonharam.

 

Uma coisa é certa: estamos todos de alma e coração nesta relação. E se há algo que me parece bom no início de uma relação é, claramente, uma boa conversa!

 

E é precisamente assim que vamos começar: com uma boa conversa. A primeira de muitas que iremos partilhar convosco todas as primeiras segundas-feiras de cada mês, com um conceito mais alargado. Para conhecermos os rostos por detrás dos nomes dos principais e mais interessantes players do mercado e de figuras da sociedade em geral que possam, de alguma forma, contribuir para o sonho que é este nosso mundo dos casamentos.

 

E quem melhor para dar começo às nossas conversas do que Cristiana Simões, a nova Diretora do Blogue e Country Manager da Zankyou Portugal? Porque encetar esta nova etapa da vida do Simplesmente Branco é também conhecer quem faz parte dela.

 

O casamento certeiro para chegar longe

«Queremos manter a essência do Simplesmente Branco (…) Somos conscientes que o SB já tem um lugar no mercado, tem um nicho de mercado definido e nós só queremos, agora, consolidar e ajudar a melhorar, contribuindo com todas as nossas ferramentas, sem nunca descurar a exclusividade e a qualidade que o Blog tem e que queremos manter.»

Enquanto Country Manager da Zankyou Portugal, diz-nos: o que motivou a Zankyou Weddings a adquirir o Simplesmente Branco? 

Como qualquer empresa do setor, temos de estar sempre atentos a todos os players que integram o mercado. Pessoalmente, sempre admirei a ideia da criação do Simplesmente Branco, pela lacuna que havia no mercado e pelo bom gosto que sempre esteve presente ao longo destes anos, com a assinatura da Susana [Pinto], com quem sempre mantive uma boa relação. Na minha opinião, por mais “concorrentes” que sejamos, a boa relação ou cordialidade entre players é importante para fazer crescer o mercado. Nunca poderemos ser melhores, se não houver ninguém a “desafiar”.

Numa das nossas conversas surgiu a ideia da aquisição e achei que seria uma excelente oportunidade para a aposta da Zankyou no mercado português e não hesitei. Hoje, estamos aqui, e é algo que me traz muita felicidade. Penso que é um voto de confiança e um incentivo para o setor nupcial português, além de um claro desafio.

 

Que mais-valias pode trazer a Zankyou ao Simplesmente Branco? 

A Zankyou é uma marca consolidada dentro do mercado, conta com uma boa estrutura e, principalmente, com um músculo tecnológico importante e estabilidade (apesar deste último ano…), o que nos permitiu realizar esta aposta. Queremos manter a essência do Simplesmente Branco e, por isso, trabalhamos com equipas editoriais independentes, apesar de, à medida que for crescendo, tenho a certeza que contaremos com muitas mais pessoas exclusivas para o Blog e para o seu desenvolvimento. Somos conscientes que o Simplesmente Branco já tem um lugar no mercado, tem um nicho de mercado definido e nós só queremos, agora, consolidar e ajudar a melhorar, contribuindo com todas as nossas ferramentas, sem nunca descurar a exclusividade e a qualidade que o Blog tem e que queremos manter.

 

O que gostarias de dizer a quem lê o Simplesmente Branco e a quem está presente enquanto fornecedor?

Somos uma empresa grande, mas gostamos muito de ouvir. E quem me conhece sabe que ouvi todos os conselhos aquando da criação da Zankyou e que todos eles foram uma mais-valia. E gostava que o mesmo acontecesse no Simplesmente Branco.

Não vamos transformar o Blog naquilo que não é, vamos melhorar. Vamos potenciar mais o mercado português. Se vamos mostrar o que há lá fora? Sim, claro. Mas vamos mostrar que cá dentro se faz igual  – ou melhor! Este é um dos nossos objetivos.

Convido quem seguia o Simplesmente Branco que o continue a fazer e que partilhe connosco as suas ideias. Convido a viverem a experiência connosco, ao nosso lado, e não apenas como s meros espectadores. As noivas podem contactar connosco pelas nossas redes, como já o têm feito, e os fornecedores podem participar no Blog. Queremos crescer e queremos fazê-lo juntos!

 

Não é o quanto fazemos, mas quanto amor colocamos naquilo que fazemos

«Sou uma apaixonada pela beleza e uma pessoa que se move com amor. Acho que isso é o que me faz estar há tantos anos dentro deste mercado (…) e que me incentivou a aceitar, de novo, o desafio de “relançar” um projeto de casamentos. (,,,) Não sou a clássica mulher que sempre sonhou em casar, constituir família e ter filhos, mas também confesso que o testemunho de tantas histórias bonitas me fez acreditar “no sonho” e despertou algo bonito em mim (…) temos a sorte de trabalhar com a felicidade e o amor. E se consegues ver isso, isto não será um trabalho.»

Quem é a Cristiana Simões e como é que veio parar ao universo dos casamentos e, mais precisamente, à Zankyou? Há quanto tempo trabalhas nesta área? E porquê este universo?

Esta pergunta é mais complicada. Definitivamente, e por mais cliché que possa parecer, sou uma apaixonada pela beleza e uma pessoa que se move com amor. Acho que isso é o que me faz estar há tantos anos dentro deste mercado, que me inspira a cada ano que passa e que me incentivou a aceitar, de novo, o desafio de “relançar” um projeto de casamentos.

A minha história, na verdade, não é a uma coisa do outro mundo, embora sinceramente sinta um certo orgulho do que construí até à data. Terminei os meus estudos em Publicidade e Relações Públicas em Madrid e surgiu a oportunidade de fazer o estágio na Zankyou, no apoio ao cliente das Listas de Casamento. Era um estágio de 6 meses, mas logo no terceiro mês convidaram-me para desenvolver o projeto como Country Manager de Portugal, porque acreditavam em mim. Não duvidei em aceitá-lo e devo estar a fazer algo bem, pois já lá vão quase 10 anos…

 

De onde surgiu esta paixão e gosto pelos “casamentos”? Sempre foste uma apaixonada pelo Amor?

Entrei num mundo totalmente desconhecido para mim, mas ao mesmo tempo curioso. Não sou a clássica mulher que sempre sonhou em casar, construir família e ter filhos, mas também confesso que o testemunho de tanta história bonita me fez acreditar “no sonho” e despertou algo bonito em mim.

Sempre que me perguntam porque aceitei o desafio de entrar no mundo dos casamentos, tenho sempre uma frase presente que guardei da minha entrevista com o Guillermo [Fernandez-Riba, fundador & CEO da Zankyou]: “Existem muitos trabalhos no mundo. Mais bem pagos ou menos. Podemos trabalhar a vender seguros, casas, carros, etc. Na Zankyou, temos a sorte de trabalhar com a felicidade e o amor. E se consegues ver isso, isto não será um trabalho.” Naquele dia fiquei um pouco cética…“claro, é verdade, mas É um trabalho”. Hoje em dia, entendo perfeitamente o que me disse.

 

O sector dos casamentos: viver das emoções

«Todos os dias falo com pessoas novas, todos os dias surgem projetos novos e há uma infinidade de coisas que se podem fazer.  (…) Talvez o mais difícil seja gerir situações concretas.(…) Quando trabalhamos em mercados mais exclusivos e queremos ter uma rede selecionada, não é fácil dizer que não ou que “não és apto” (…) o tempo fez-me a aprender a fazê-lo da forma mais correta (…). Somos um mercado com um potencial gigante (…) Somos um País maravilhoso, temos paisagens incríveis, a melhor gastronomia, um clima invejável, mas acho que não o aproveitamos. (…) É necessário partilhar e conviver para crescer, senão seremos sempre individualmente pequeninos.»

Qual é a melhor parte de trabalhar neste sector e mundo dos casamentos? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte é a comunicação, as relações. Todos os dias falo com pessoas novas, todos os dias surgem projetos novos e há uma infinidade de coisas que se podem fazer. Sou uma pessoa que adora colaborar, adora ouvir e adora aprender. Não tenho problemas com as críticas, pelo contrário, acho que ajudam a crescer. Talvez o mais difícil seja gerir situações concretas. Já tive alguns “problemas” na Zankyou e acredito que no Simplesmente Branco também voltará a acontecer. Quando trabalhamos em mercados mais exclusivos e queremos ter uma rede selecionada, não é fácil dizer que não ou que “não és apto” para o meu portal ou blogue. Mas também acredito que o tempo me fez aprender a fazê-lo da forma mais correta que sei e que não está em mim aceitar ou compreender certas decisões, senão na outra pessoa aceitar que toda a crítica serve apenas para melhorar.

 

Ao longo destes anos de experiência, com que perspetiva ficas do mercado de casamentos em Portugal? Principais dificuldades, melhores qualidades, concorrência, os grandes desafios…

Acho que somos um mercado com um potencial gigante, que escrevia em maiúsculas se fosse correto. Somos um País maravilhoso, temos paisagens incríveis, a melhor gastronomia, um clima invejável, mas acho que não o aproveitamos. Acho que não cooperamos para melhorar e, até aprendermos isso, nunca o vamos conseguir. Acho que plataformas como a Zankyou e o Simplesmente Branco ajudam nessa conexão. Ambos realizamos eventos presenciais e online entre fornecedores para se conhecerem. Sim, conhecer pessoas que fazem a mesma coisa, partilhar ideias, experiências. Por serem concorrentes, não significa que sejam inimigos. É necessário partilhar e conviver para crescer, senão seremos sempre individualmente pequeninos.

 

E se…

«Não é como, nem onde, é mesmo com quem e só nesse momento, me permitirei sonhar com isso.»

Se te casasses, que estilo de noiva achas que serias? E que estilo de casamento seria o teu casamento de sonho?
Como te disse, nunca tive esse sonho, pelo que não poderei partilhar a clássica “história do vestido que sempre sonhei”. Tive a sorte de realizar várias sessões, onde todos os vestidos foram escolhidos por mim e são estilos diferentes. É algo que veria na altura. Não é como, nem onde, é mesmo com quem e só nesse momento, me permitirei sonhar com isso. Neste momento, dedico-me a ajudar em tudo o que é inspiração e a dar as melhores opções para realizar os sonhos de quem já tem o seu “com quem”.

 

THE MILLION DOLLAR QUESTION by Simplesmente Branco

«O casamento de sonho deve ser algo em que ambas partes estão felizes, seguras e confortáveis com todas as escolhas realizadas.»

Qual é o segredo para um casamento de sonho?
Poderia estender-me e aqui vou usar o meu “voto de independente “, mudando a pergunta [risos], ainda que respondendo. O casamento de sonho deve ser algo em que ambas partes estão felizes, seguras e confortáveis com todas as escolhas realizadas.

Agora, se me preguntares, qual o segredo para um casamento feliz para sempre? Posso resumir-te a quatro adjetivos (os pilares) e um tempo verbal (a million dollar anwser): Amor, amizade, respeito, confiança e o Presente. Nada sobrevive verdadeiramente sem os quatro pilares e nada se vive verdadeiramente sem ser no presente, no agora. É o único tempo verbal que controlamos.

 

Créditos por ordem de aparição:

 

Foto:  Nelson Marques + Andreia Torres Photography – Joias: Sofia Tregeira | Foto: 1Love4ever Photography | Foto: Foto: Instante Fotografia | Foto: Foto: Ludgi Fotógrafos | Fotos: Nelson Marques + Andreia Torres – Joias: Sofia Tregeira | Foto: It’s all about – Vestido: Solo Merav pela Ais D’Amor Bride’s Closet | Foto: It’s all about… – Vestido: Pureza Mello Breyner | Foto: Rui Teixeira Photography – Vestido:  Gio Rodrigues | Foto: It’s All About – Vestido: Gio Rodrigues | Foto: Muravnik Photography | Foto: It’s all about – Vestido: Solo Merav pela Ais D’Amor Bride’s Closet

 

Susana Pinto

À conversa com: Rituais – animação, audiovisuais e produção de eventos

Na nossa última conversa de 2020, falamos com o Luís Alves, da Rituais – animação e produção e eventos.

Conversamos sobre como ter uma bela e animada pista de dança que dá vida à vossa festa e sobre as diferenças entre os eventos profissionais e sociais – é sempre interessante!

A Rituais foi a equipa que proporcionou os três dias de entretenimento no The W Experience, com um belíssimo palco preparado para as talks e apresentações, e uma programação de animação muito entusiasmante, com performances, concertos e solos de artista. Estão, portanto, recomendadíssimos!

 

Mesmo sabendo que este conceito de festa aguarda luz verde para regressar, é sempre fantástico conhecer o trabalho dos profissionais e as pessoas que lhe dão alma!

Juntem-se a nós e descubram o trabalho da Rituais – animação e produção de eventos.

 

Rituais - animação para casamentos e DJ
Rituais - animação para casamentos e DJ
Rituais - animação para casamentos e DJ
Conte-nos um bocadinho do seu percurso, até às pistas de dança: como é que isso aconteceu?

O gosto pela música  já vem de raízes familiares.  O meu pai é saxofonista e, desde cedo, habituei-me a estar em palcos com ensaios, montagem de equipamentos de som, luz, instrumentos , convivendo com artistas e o mundo dos espectáculos.

Aos catorze anos o meu cunhado era DJ e comecei a aprender a trabalhar com ele, com os pratos technics e cassetes. Aos dezasseis, iniciei a actividade como DJ em festas de escolas, passando pelas universidades, e em bares e discotecas. Aos dezoito iniciei, paralelamente com os espaços onde trabalhava, o trabalho de DJ em casamentos.

Hoje em dia faço a gestão de vários DJ’s da Rituais para os nossos eventos e,  pessoalmente, alguns trabalhos em cocktailssunsets e festas da Rádio Remember.

 

Animação nocturna e casamentos –  sendo a música um assunto transversal, esta é uma ligação natural e inevitável?

O tipo de trabalho nocturno em discotecas é completamente diferente dos casamentos, normalmente está associado a um tipo de música e de público especificos.

Inevitavelmente a animação nocturna é uma boa escola para os DJ’s  fazerem a ponte para os casamentos, que na minha óptica são mais exigentes devido a trabalharmos com públicos completamente diferentes, quer na classe social, idade, gosto e disposição para dançar. Temos que ser mais flexíveis, ter um vasto conhecimento musical e disponibilidade física e mental para estarmos imensas horas a trabalhar.

 

O que ouve quando não está a trabalhar? Separa lazer e profissão?

Oiço um pouco de tudo, depende do espírito no momento, adoro música e tem que estar sempre presente, quer no escritório, carro ou em casa.  Soul, funk, soulful e deep house, passando pela música tradicional cubana, reggae e também na rádio online que temos  – Remember anos 70, 80 e 90’s os hits destas décadas.
Separo na medida em que quando estou a trabalhar estou concentrado no que estou a fazer, analisando a pista de dança, e em lazer apenas quero relaxar com a música que passa na rádio ou no Spotify da Rituais.

 

Rituais - animação para casamentos e DJ Rituais - animação para casamentos e DJ Rituais - animação para casamentos e DJ

Gosta dançar ou prefere ouvir? Como se mantém actualizado?

Apesar de gostar de dançar, prefiro ouvir música.

Em diversos canais, como por exemplo rádio, charts internacionais,  internet em sites de compra de música, entre outros.

 

Trabalha com clientes corporativos e com clientes particulares: na pista somos todos iguais ou o vibe da festa é muito diferente?

A música, quando devidamente tocada, é bem recebida por todos os públicos, no entanto o universo corporativo é mais selectivo e discreto no início, mas rapidamente o público começa a  descontrair e ter a mesma vibe do cliente particular.

 

O que faz uma grande noite (ou pista de dança)?

Uma boa selecção musical e saber ler a pista de dança.

 

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação aos vossos clientes?

Através da Rituais, que promove o meu trabalho e que faz todo o processo comercial com os clientes.

 

Rituais - animação para casamentos e DJ Rituais - animação para casamentos e DJ Rituais - animação para casamentos e DJ

Como cria a playlist para o seu cliente? É tudo trabalho prévio ou há espaço de improviso, um pesa mais do que outro?

Há sempre um trabalho prévio preparando e adequando o estilo musical ao tipo de evento e cliente. No decorrer da festa também percebemos a vibe da pista de dança e improvisamos com alguns temas que nos vão pedindo.

 

Se se casasse, com que música abria a pista?

“September”, Earth, Wind & Fire

 

Para fechar, qual é a música a que regressa sempre?

Normalmente não repetimos músicas que já foram tocadas, só em situações especificas em que o cliente nos pede para o fazer.
Uma das músicas de eleição para repetir e apesar de oldie é  “Show me love”, de Robin S.

 

 

 

Contactem a Rituais através da sua ficha de fornecedor. Espreitem as galerias, feita de belas imagens e vídeos, e entrem em contacto directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática do Luís Alves.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

À conversa com: Feel Creations – fotografia e video de casamento

Hoje conversamos com o trio Feel Creations, que faz fotografia e video de casamento a partir do Porto, para todo o país.

Falamos com a Marta e o Bruno sobre o seu percurso até aqui, de onde vem este ponto de vista e toda esta qualidade atenta, doce e meiga que o seu trabalho transmite.

Vibramos com todo o tipo de casamentos! Se são emotivos, a Marta quase chora, se são festas de arromba, só falta mesmo sermos os “reis da pista”, se são grandes temos mais gente para registar e para trocar dois dedos de conversa, se são pequeninos recebem-nos como se fôssemos familiares. Por isso, não temos qualquer tipo de preferência. Acreditamos que quem faz a festa são as pessoas e, além disso, são essas mesmas pessoas que nos fazerem querer continuar a fotografar e filmar casamentos.

Contem-nos um pouco da vossa viagem profissional até aqui, à fotografia e vídeo de casamento.

Esta viagem tem sido bastante gratificante.

Estudámos juntos na faculdade. A Marta e o Bruno, ao longo da vida académica, já tinham uma pseudo-empresa a partir da qual faziam alguns trabalhos na área do design e, de vez em quando, de vídeo. Após a licenciatura quisemos tornar a situação mais real e séria. O nosso objectivo sempre foi trabalhar na área da fotografia e do vídeo. Tentámos direccionar todo o projecto para essa vertente e, após algum tempo e insistência, conseguimos. E conseguimos até hoje! Cada vez melhores, mais ambiciosos e sempre com fome de aprender mais e melhor.

 

 

Há quanto tempo captam imagens? E porquê casamentos?

Em Março a Feel Creations faz cinco anos de existência. Não foi um percurso muito fácil, mas cá estamos com toda a força e vontade.
Entrámos no mundo dos casamentos muito por culpa de um casal amigo. Na recta final do nosso estágio de faculdade, estes nossos amigos iam casar e queriam que fossemos nós a fotografar e a filmar no casamento deles. Inicialmente recusámos, pois não era esse o percurso que queríamos fazer e, além disso, não percebíamos rigorosamente nada de casamentos.

Insistiram bastante até que acabámos por aceitar o desafio. E ainda bem que o fizemos, pois adorámos a experiência! Compreendemos que o registo de um casamento não teria de ser feito obrigatoriamente de uma forma tradicional. Podíamos criar a nosso própria visão dos acontecimentos e não fazer acontecer, parecendo artificial. Afinal, podíamos ser criativos!

A partir desse momento arriscámos tudo. Começámos a repensar e a direccionar o nosso projecto para a área dos casamentos onde poderíamos ser livres na criação e aplicar a nossa própria visão. E aqui estamos! Prontos para novos desafios e ansiosos por cada casamento!

 

Nestes tempos globais, em que as imagens circulam a uma velocidade vertiginosa e todos temos acesso a tudo, a qualquer hora, onde vão buscar inspiração?

Com o acesso bastante facilitado a diferentes tipos de conteúdos, sejam eles ao nível da imagem e do áudio, acaba por ser algo muito importante para nós na hora de ir buscar inspiração.

Acabamos sempre por encontrá-la naqueles dias que ficamos por casa a devorar filmes e muitas séries, e, sem dúvida nenhuma, na música, nas viagens que fazemos e, claro, no trabalho de outros fotógrafos e videógrafos que admiramos!

 

 

Como construíram a vossa assinatura, como a definem?

Sempre defendemos que temos de captar o que vemos e não o que os outros gostariam de ver.

Fazemos questão de ser discretos e deixar os momentos acontecerem, sem ter qualquer tipo de intervenção, pois achamos que o que é realmente bonito são aqueles sorrisos espontâneos ou aquele abraço sentido depois da cerimónia. E isso, como é óbvio, não se pede.

Tudo isto aliado à nossa forma de ser e fazer, com um olhar sempre atento aos pormenores e gestos e aos nossos gostos, acabam por dar o nosso estilo e estética da Feel Creations.

 

Quando precisam de fazer reset, para onde olham, o que fazem?

Viajar é o melhor “botão” para fazer alguns resets. Sair por uns tempos da nossa zona de conforto, conhecer novas culturas e ter experiências completamente diferentes das a que estamos habituados a ter. Pensamos que é a melhor forma de renovar energias e inspiração. Claro que nem sempre dá para o fazer, mas aí tentamos fazer de uma outra forma. Viajar dentro do nosso país, que tem paisagens absolutamente incríveis.

Por vezes, temos de perceber que trabalhar nesta área não é equiparável a um outro trabalho. Não podemos ficar presos à frente de um computador todos os dias, pois não é essa a nossa fonte de inspiração. Temos de ser criativos e, para isso, temos de cultivar métodos para o fazer/ser. E isso faz toda a diferença no resultado de cada trabalho.

 

Do Porto para o mundo, ou Portugal de lés-a-lés: fotografar e filmar casamentos estrangeiros é diferente de fotografar e filmar casamentos nacionais?

Todas as pessoas são diferentes e cada casamento tem uma história diferente para contar. Tudo depende das personalidades, da entrega dos noivos e do que sonham para o seu grande dia.

Acreditamos que os portugueses gostam de aproveitar tudo até à última. Estes são definitivamente mais longos e muito mais dinâmicos. Um casamento estrangeiro tem tendência a ser mais curto e mais intimista. Felizmente já tivemos a oportunidade de fotografar/filmar alguns e temos essa ideia. Contudo, nada muda na hora de contar a história de um casamento. Sendo o nosso registo documental, o processo acaba por ser idêntico, quer seja um casamento português
ou estrangeiro.

 

 

Qual é o vosso processo de trabalho, como acontece a ligação aos vossos clientes?

Em todos os casos tentamos ter sempre uma ligação muito próxima ao nosso cliente. A nossa abordagem é sempre o mais descontraída possível para quebrar de imediato alguma barreira que possa existir. Achamos que é essencial aproximarmo-nos deles através da sua história e, dessa forma, conhecê-los o melhor possível. Afinal de contas, iremos estar presentes num dos dias mais importantes das suas vidas.

 

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de festa que mais gostam de registar?

Vibramos com todo o tipo de casamentos! Se são emotivos, a Marta quase chora. Se são festas de arromba, só falta mesmo sermos os “reis da pista”. Se são grandes temos mais gente para registar e para trocar dois dedos de conversa. Se são pequeninos recebem-nos como se fôssemos familiares. Por isso, não temos qualquer tipo de preferência. Acreditamos que quem faz a festa são as pessoas e, além disso, são essas mesmas pessoas que nos fazerem querer continuar a
fotografar e filmar casamentos.

 

Qual é a melhor parte de ser um fotógrafo e videógrafo de casamento? E o mais desafiante e difícil?

A melhor parte é ter a sorte de poder registar e assistir a um momento tão importante da vida de um casal. É do coração. Ficamos sempre muito felizes por ver a felicidade e a emoção dos noivos e das suas famílias.

Fazer o que gostamos e sermos felizes em cada casamento é o que é mais gratificante.

O mais desafiante é conseguir fazer sempre algo diferente e melhor.

O mais difícil é conseguir gerir o cansaço que se vai sentindo ao longo do dia de um casamento.

 

 

Contactem a Feel Creations através da sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens e vídeos, e entrem em contacto directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática deste trio criativo.

 

Aproveitem para espreitar os seus últimos casamentos que publicámos por aqui. O meu favorito é o mais bonito dos dias da Sara + Nuno, que casaram em casa, no coração do Porto: uma doçura só!

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

 

Susana Pinto

À conversa com Sukses Design – convites de casamento

Hoje conversamos com a Joana Bastos, da Sukses Design – convites de casamento.

 

A Joana desenha os mais bonitos convites de casamento em papel artesanal, sempre acompanhados de uns envelopes de cores densas e ricas e acabamentos sofisticados: lacres, flores desidratadas, fitas de seda.

 

Para mim, foi amor à primeira vista, assim fulminante e fatal: um envelope cor de coral, com uma fitinha e um marcador de mesa, com flores em aguarela e um número caligrafado. Seguiu-se outro envelope, azul petróleo, quase verde esmeralda, e mais um, amarelo cor de leite creme.

Depois de nos apaixonarmos, não como voltar atrás e por isso passo a palavra à Joana Bastos, para falar do seu bonito trabalho.

 

Convites de casamento em papel artesanal, por Sukses Design

Convites de casamento artesanais - Sukses Design Fitas de seda tingidas à mão para bouquet de noiva

Conte-nos um pouco da sua viagem profissional até ao universo dos casamentos. Como é que veio cá parar, foi um caminho natural ou uma situação específica que o apontou?

Formei-me em design gráfico na António Arroio e consequentemente frequentei a Faculdade de Belas-Artes, em Escultura.  A veia artística sempre esteve presente desde pequena, as histórias contadas pela minha mãe das experiências artísticas/plásticas, pode imaginar… uma “dor de cabeça”! Apesar de não ter trabalhado a tempo inteiro na minha área de formação, fui sempre realizando alguns trabalhos enquanto freelancer em Design.

Encaro que o caminho até ao universo dos casamentos, para além de ter sido através de uma partilha de ideias com alguém que procurava inspiração para o seu casamento, se tornou bastante intuitivo e natural a partir do momento em que comecei a desenvolver as linhas gráficas e escolher os materiais para a Sukses Design.

 

Há quanto tempo trabalha nesta área? E porquê este universo dos casamentos?

Desde Novembro de 2019.

Para além de descobrir um lado romântico “adormecido” , acredito que através da delicadeza, da elegância dos convites e estacionário que realizo, irei, de certa forma, deixar um rasto bonito na memória de quem os recebe, e isso é muito gratificante.

 

Como construiu a sua assinatura, como a define?

A Sukses Design surgiu através da minha essência, procurei aquilo que revela o que mais prezo e tenho gosto em ver. Os materiais, as texturas, as sensações, o artesanal e a natureza. A partir daí, é deixar fluir!

 

Convites de casamento artesanais - Sukses Design Convites de casamento artesanais - Sukses Design

Convites de casamento em papel artesanal, por Sukses Design

Esse estilo faz parte do ADN da marca ou é um conceito que escolheu para explorar e trabalhar este ano? Porquê?

Este estilo handmade/natural é a base do ADN da marca, pelos materiais utilizados. Assim sendo, todos os materiais criados (convites e estacionário) têm este conceito, realçando o lado mais sublime de cada peça.

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait divers?

Sem dúvida que é necessário estar atenta às  tendências, mas não deixo que determine a minha linha de trabalho. Procuro sempre enquadrar e personalizar consoante o gosto pessoal dos noivos.

 

Ter o controle das decisões é importante? Tem uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como quer que o seu trabalho seja consumido ou é o prazer de discutir ideias, de criar, que lhe interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Ter o controlo das decisões é importante , sou perfeccionista no que me dedico e sem dúvida que o resultado será sempre com base nestas duas características. Sou dada a desafios, com isso gosto de debater ideias e encontrar o que melhor define cada projecto em si.

 

Existem fórmulas vencedoras que aplica, ou cada convite ou produto é pensado totalmente de raiz?

Os projectos criados em portefólio são meramente sugestões para divulgação da Sukses que podem ser adaptadas, ou não, a cada casal. O melhor é sempre criar de raiz com a identidade e a essência de cada pessoa, que acaba por revelar-se em grandes experiências a nível profissional.

 

Convites de casamento artesanais - Sukses Design Convites de casamento artesanais - Sukses Design Convites de casamento em papel artesanal de Sukses Design

Qual é a importância do convite (e restante estacionário) na grande ordem das coisas?

A meu ver, o convite é a base inicial de algo muito especial do que está por vir, ao ser a primeira impressão do grande dia, aquela que muitos guardam como recordação na sua “caixinha especial”. No entanto, são pequenos grandes pormenores que tornam o dia ainda mais bonito, pela delicadeza nos detalhes e do encaixe perfeito na decoração do casamento.

 

Onde busca inspiração para cada nova temporada de trabalho?

A tudo o que nos rodeia, seja ela (inspiração) na natureza ou quotidiano, em familia ou amigos, criações de colegas ou publicações em específico.

 

Quando precisas de fazer reset, para onde olha, o que faz?

Foco-me nas coisas simples, esse é o meu reset! Natureza, em específico o mar. Sorrir, rir, sentir e viver para mim e com os meus.

 

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação aos seus clientes?

O contacto inicial tem sido via e-mail, por vezes acaba por ser um acompanhamento mais à distância, é essencial estabelecer laços de proximidade e acompanhar todos os passos necessários para a realização dos projectos.

É-me importante estabelecer o contacto pessoal com os noivos, de forma a que os mesmos consigam conhecer os materiais, as texturas, as sensações e a essência por de trás disto tudo.

 

Convites de casamento em papel artesanal, por Sukses DesignConvites de casamento artesanais - Sukses Design Convites de casamento artesanais - Sukses Design

Casamentos grandes ou pequeninos, nacionais ou estrangeiros, cerimónias emotivas, festas de arromba – qual é o tipo de formato que mais lhe interessa?

O mais importante é que se identifiquem com o meu trabalho, acredito que este adequa a qualquer dos formatos.

 

Qual é a melhor parte de criar convites de casamento, ser o primeiro capítulo visível da história que leva ao grande dia? E o mais desafiante e difícil?

O melhor é fazer parte do ínicio de uma história bonita e partilhá-lo com os restantes, receber o feedback após a preparação e entrega dos convites. Saber que fiz parte de muitas das linhas que estão por escrever!

O mais desafiante, é sem dúvida, corresponder às expectativas dos desafios que colocam, tendo em conta estarmos rodeados de tanta referência e inspiração.

 

Escolha o convite que mais gosta do teu portefólio, e conte-nos porquê:

É-me difícil escolher um preferido, tendo em conta que cada convite é especial à sua maneira.

Este, no entanto, foi o convite escolhido para iniciar a história da Sukses Design, por isso existe um carinho especial e um brilhozinho no olhar.

 

 

Os contactos detalhados do Sukses Design estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de belas imagens, e contactem a Joana Bastos directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com: Monte do Ramalho – espaço para casamentos no Alentejo

Sentamo-nos à conversa com a Manuela Estevinha, do Monte do Ramalho, um espaço para casamentos no coração dourado e manso do Alentejo.

Há qualquer coisa de muito mágico nesta paisagem sossegada, no calor que sobe do chão e no céu estrelado que não tem fim. O Monte do Ramalho mantém essa pureza natural, sem deixar de estar totalmente preparado para receber uma bela festa – a vossa!

Deixem-se encantar!

Ter o controle das decisões não é importante, isto é, deixamos praticamente tudo na mão de quem nos procura, sejam noivos, wedding planners, empresas de decoração, cedemos o espaço aos nossos noivos e apresentamo-lo como sendo a sua casa. Aqui podem idealizar o dia da forma que sonharam, não impomos formatos nem fornecedores. O que mais nos interessa é acompanhar o processo, orientando, discutindo ideias e criando juntamente com quem nos procura.

 

Contem-nos um bocadinho do vosso percurso, como vieram parar ao universo dos casamentos?

Éramos apenas uma quinta de turismo rural, quando em 2013 fomos descobertos por um casal, ela de Lisboa e ele de Itália. Adoraram o espaço e principalmente o facto de nunca termos tido nenhum casamento, foram os nossos primeiros noivos. O evento aconteceu em Junho de 2014, totalmente ao ar livre, com a nossa iluminação de arraial e mesas corridas, tudo no exterior. Não tínhamos espaço para plano B e felizmente o bom tempo ajudou. Ainda no mesmo ano, recebemos outro casamento no início de Setembro, e para que se pudesse realizar, fizemos obras numa das nossas salas, porque a existência de um plano B era condição para que o nosso espaço fosse escolhido. Foi também nesta data que o colocámos em prática, choveu torrencialmente no dia do casamento. Em 2015 voltámos a fazer obras no espaço para podermos receber os casamentos com melhores condições, e desde aí até agora, temos vimos em crescendo.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

A imagem de marca do Monte do Ramalho é, na minha opinião, um estilo rústico, descontraído e romântico. Concordam com esta definição?

Totalmente. E pudemos ainda acrescentar: puro e genuíno.

 

Esta assinatura faz parte do ADN do espaço, ou é algo que escolheram como tendência e tema para este ano? Porquê?

Faz parte do ADN do espaço, não fizemos nenhuma alteração ao que já existia. É a simplicidade que o torna diferente dos demais. A nossa praia é um olival a perder de vista, devemos ser dos poucos que nos podemos orgulhar disso!

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait-divers?

São apenas fait-divers, acompanhamos as tendências mas deixamos este assunto nas mãos dos demais.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Ter o controle das decisões é importante? Têm uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como querem que o vosso espaço e trabalho sejam mostrados e vividos, ou é o prazer discutir ideias, de criar e acompanhar o processo, que vos interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Ter o controle das decisões não é importante, isto é, deixamos praticamente tudo na mão de quem nos procura, sejam noivos, wedding planners, empresas de decoração, cedemos o espaço aos nossos noivos e apresentamo-lo como sendo a sua casa. Aqui podem idealizar o dia da forma que sonharam, não impomos formatos nem fornecedores. O que mais nos interessa é acompanhar o processo, orientando, discutindo ideias e criando juntamente com quem nos procura.

 

Onde buscam inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Não buscamos. Procuramos manter o espaço tal e qual como é. As tendências vêm com os nossos noivos e fornecedores por eles escolhidos.

 

E nos momentos de fadiga criativa, como refrescam a mente e o olhar?

Não temos fadiga criativa, temos apenas fadiga mental! Refrescamos a mente e o olhar em cada novo casamento que acolhemos no nosso espaço.

 

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Casamento no Alentejo, no Monte do Ramalho, com fotografia de Madalena Tavares

Como é o vosso processo de trabalho, como criam uma ligação aos vossos clientes?

Para além da importância que tem o nosso espaço e da preocupação que temos em mante-lo o mais natural possível, acompanhamos e ajudamos os nossos noivos a concretizarem o seu dia especial, deixando-os sonhar.

 

Qual foi o casamento em que mais gostaram de trabalhar? Porquê?

Todos são diferentes, relembramos um em que o plano B foi accionado duas horas antes do início da cerimónia. Também, de certa forma, os casamentos religiosos, porque são realizados ao ar livre e têm todo um ambiente especial.

 

Escolham uma imagem favorita do seu portefólio e contem-nos porquê:

A escolha foi difícil, no entanto escolhemos uma imagem das mesas colocadas para o jantar no exterior debaixo das nossas amoreiras. A imagem lembra as maravilhosas noites de verão que temos no Alentejo, sob um céu estrelado.

 

 

Este sítio deixa-me sempre a suspirar…! Espreitem os casamentos bonitos que aconteceram no Monte do Ramalho, e se ficarem a suspirar como eu, não deixem de fazer uma visita!

 

Os contactos detalhados do Monte do Ramalho estão na sua ficha de fornecedor. Visitem a galeria, feita de imagens maravilhosas, e contactem a Manuela Estevinha directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!

Susana Pinto

À conversa com: A Pajarita, convites de casamento

Hoje sentamo-nos a conversar com a Alexandra Barbosa, que assina como A Pajarita, convites de casamento.

E que bonito e incrivelmente delicado é o trabalho da Alexandra! Já o vi ao vivo várias vezes e já visitei a Alexandra no seu belíssimo estúdio na Póvoa do Varzim: conversamos sempre sobre o seu trabalho de gravura e o nosso fascínio pelos papéis artesanais.

É sempre um prazer perceber as técnicas, processos e acabamentos destas peças tão singulares e femininas, de uma beleza discreta e intrigante.

Venham conhecer A Pajarita!

Acredito que cada casal é uma fórmula. Se pensarmos nas pessoas, não há duas iguais. Quando conheço um casal, conheço duas pessoas diferentes e é a soma deles que eu tenho de calcular para lhes puder apresentar uma fórmula que respeite quem são juntos. É nessa comunhão que nasce a fórmula que retrata o casal. Se não há duas pessoas iguais, não há duas somas iguais, logo não há duas fórmulas iguais.

Conte-nos um pouco da sua viagem profissional, das artes plásticas para o universo dos casamentos. Foi um caminho natural ou uma situação específica que o apontou?

Sou artista plástica e especializei-me em gravura e produção artística.

Terminada a licenciatura, parti para Espanha onde estudei e trabalhei, e acabei por ficar por lá cinco anos. A minha vida profissional era partilhada pela docência e pelo desenvolvimento da minha investigação e trabalho artístico (e por consequência concursos, bienais e exposições).

Regresso a Portugal e começo a dar aulas e a criar peças personalizados num atelier: foi aí que conheci uma noiva, que acabei por ajudar, ao criar detalhes que ela idealizava e não tinha conseguido encontrar.

Esta experiência despertou algo em mim. A alegria dela foi contagiante, e desafio tinha sido estimulante. Como gosto de desafios e de fazer coisas sempre diferentes (a monotonia desconcerta-me!), a ideia foi amadurecendo e ganhando forma e, assim, “nasceu” A PAJARITA.

 

Há quanto tempo trabalha nesta área? E porquê este universo dos casamentos?

Desde Dezembro de 2014.

O universo dos casamentos, tal como eu o encaro, é estimulante, cheio de desafio e aventuras. Não é estático nem monótono. É algo contagiante e que me faz levantar de manhã cheia de energia e de vontade de trabalhar.

 

EStaionário de casamento A Pajarita Convites de casamento em papel artesanal e aguarela, desenhados por A Pajarita Livro de votos em papel artesanal e aguarela, desenhado por A Pajarita

Como define o seu trabalho e como construiu essa assinatura?

É um trabalho feito de raiz, a medida de cada casal e tem como base a partilha. Tudo é pensado e desenhado com base no que os noivos partilham comigo: os seus gostos, expectativas, histórias, interesses, viagens…

 

Esse estilo faz parte do ADN da marca ou é um conceito que escolheu para explorar e trabalhar este ano? Porquê?

É, sem dúvida, o ADN. O fascinante é começar do zero. O caminho estimulante do processo ao produto final. Se deixar de existir, A PAJARITA não tem fundamento, não tem razão para existir.

 

As tendências da estação… são um assunto de trabalho ou apenas fait divers?

É sempre importante conhecer e debater as tendências, mas não serão um caminho a seguir se não se enquadram com a personalidade dos noivos dessa estação.

 

Boas-vindas ao Outono, por A Pajarita (26) Boas-vindas ao Outono, por A Pajarita (17) Boas-vindas ao Outono, por A Pajarita (22)

Ter o controle das decisões é importante? Tem uma perspectiva perfeccionista e específica sobre o resultado e a forma como quer que o seu trabalho seja consumido ou é o prazer de discutir ideias, de criar, que lhe interessa mais na relação com cada projecto, cada cliente?

Tenho de controlar a qualidade da execução, sou perfecionista, cada detalhe conta. Os materias são fundamentais e gosto de ter o controlo dos materiais usados e a sua qualidade. O processo criativo em si é muito orgânico, e parte sempre das conversas que tenho com cada casal. É delas que vou extrair os pormenores, as subtilezas em que me vou basear para criar os protótipos que lhes irei apresentar posteriormente.

 

Existem fórmulas vencedoras que aplica, ou cada convite, produto ou serviço é pensado totalmente de raiz?

Fórmulas vencedoras? Eu acredito que cada casal é uma fórmula. Se pensarmos nas pessoas, não há duas iguais. Quando conheço um casal, conheço duas pessoas diferentes e é a soma deles que eu tenho de calcular para lhes puder apresentar uma fórmula que respeite quem são juntos. É nessa comunhão que nasce a fórmula que retrata o casal. Se não há duas pessoas iguais, não há duas somas iguais, logo não há duas fórmulas iguais.

 

Onde busca inspiração para cada nova temporada de trabalho?

Para além de me inspirar na singularidade e personalidade de cada casal, busco-a nas exposições, nos filmes, na moda…

 

Convites de casamento artesanais, feitos por A Pajarita

Quando precisa de fazer reset, para onde olha, o que faz?

Faço coisas simples, mergulhos nos livros, foco-me na minha família, perco-me nas risadas do Vasquinho e na tranquilidade do bebé Gustavo (os meus sobrinhos e afilhados), vou ouvir o mar, desenho casas (que é uma forma simplista de descrever o meu trabalho artístico).

 

Qual é a importância do convite de casamento (e respectivo conjunto de estacionário), na grande lista de itens e tarefas?

Normalmente é encarada como uma tarefa secundária, e, a meu ver, erradamente. É a primeira impressão do dia que estamos a preparar. O convite é a imagem do nosso dia, logo, a nossa. Daí trabalhamos para que o feedback do convidado seja sempre: “o convite é mesmo a tua/vossa cara”.

 

Qual é o seu processo de trabalho, como acontece a ligação ao cliente?

Primeiro é necessário perceber se sou o fornecedor ideal. Se for, preciso de conversar com eles, perceber quem são, o que perspetivam. Seja pessoalmente, por videoconferência ou por email, quanto mais informações me derem, mais matéria prima tenho. Mostro exemplos, acabamentos, papéis para ir percebendo as preferências. As conversas costumam ser amenas e muito interessantes. Posteriormente, apresento-lhes um protótipo. Ele sofre o processo necessário de forma a responder às expectativas, e só depois passa para a produção.

 

Estacionário em papel artesanal e aguarela, desenhado por A Pajarita

Estacionário em papel artesanal e aguarela, desenhado por A Pajarita

Livros de votos desenhado por A Pajarita

Qual é a melhor parte de criar convites de casamento, ser o primeiro capítulo visível da história que leva ao grande dia? E o mais desafiante e difícil?

O melhor é não termos limites nem condicionantes estabelecidos pelo trabalho já desenvolvido e conhecermos pessoas novas. O que se torna desafiante, é o facto de se começar do zero, encontrar a imagem do casal sem usar recursos evidentes. O difícil, que é diferente de desafiante, a meu ver, é não ficar empolgado com os projetos e dizer aos noivos que a A PAJARITA não é o seu fornecedor ideal (acontece quando procuram convites padronizados).

 

Escolha o convite de que mais gosta no vosso portefólio, e conte-nos porquê:

É difícil escolher, mas os que mais me empolgam são os convites com intervenção manual, sem dúvida! O facto de cada um ser inevitavelmente diferente do outro, esse cunho pessoal e irrepetível desperta aquele brilhinho no meu olhar.

 

Marcador de mesa de casamento desenhado por A Pajarita Estacionário de casamento desenhado por A Pajarita Estacionário de casamento desenhado por A Pajarita

Os contactos detalhados de A Pajarita, estão na sua ficha de fornecedor. Espreitem a galeria, feita de imagens bonitas, e contactem a Alexandra directamente através do formulário: é só preencher com os vossos dados e mensagem, e na volta do correio, terão uma resposta simpática.

O trabalho da Alexandra Barbosa não se fica pelos convites: das suas mãos sai tudo o que é papel e também belas flores: bouquet de noiva, flor de lapela, pulseira para as madrinhas e outras delicadas maravilhas. Sigam tudo aqui!

 

Acompanhem estas nossas conversas longas com fornecedores seleccionados Simplesmente Branco, sempre à quarta-feira!