Created with Sketch.
Marta Ramos

Wise words: é possível ter flores eco-friendly no casamento?

As flores deixam uma pegada ecológica bastante acentuada — isto é um facto. Quem o diz é Ema Mota Ramos, do Jardin d’Époque, com quem conversámos sobre o assunto de modo a podemos ajudar-vos a perceber como é que as flores se encaixam numa perspectiva de casamentos eco-friendly. É difícil imaginar um casamento bonito sem flores, claro. E depois há toda a aura da tradição, de que não quererão abdicar. Afinal, já na Grécia Antiga as noivas costumavam levar hera a caminho do altar, como símbolo de um amor eterno; e no Império Romano eram as ervas que cumpriam o duplo papel de fidelidade e fertilidade enquanto afastavam espíritos negativos. E, já agora, fiquem sabendo que as flores aparecem associadas também aos noivos desde o ido século XVI: a boutonnière tinha nessa altura o propósito de proteger o noivo de doenças, o equivalente ao uso do bouquet pela noiva.

Hoje, bouquet e boutonnière são essencialmente estéticos e harmonizam-se com a decoração do casamento, podendo, no entanto, incluir significados especiais na escolha de determinadas flores. O simbolismo, esse continua a ser forte.

 

Diz-nos a Ema que pensar em questões de sustentabilidade e no conceito eco-friendly no mercado de casamentos não é fácil, uma vez que os fornecedores estão a lidar com expectativas muito elevadas, concentradas no resultado de um único dia em que nada pode falhar e que, por isso, nada menos do que a perfeição é esperado. «No que toca às flores, a pegada ecológica é enorme. Na generalidade dos casos, enquanto fornecedores, não nos é possível utilizar apenas espécies autóctones e locais. Ou porque a dimensão do projecto requer grandes quantidades que a produção nacional não consegue garantir, ou porque as espécies que os noivos ambicionam nem sequer são produzidas no nosso país. Compramos nos grandes leilões da Holanda e esperamos que os camiões cheguem até nós depois de fazerem milhares de quilómetros. Para não falar do cultivo intensivo e na manipulação das espécies.
O desafio está em encontrar estratégias para contrabalançar este impacto.»

O conselho imediato a dar aos noivos é que escolham sempre espécies da época e que estejam disponíveis e abertos às sugestões dos fornecedores que seleccionam.

Já temos, então, dois aspectos em que a vossa escolha poderá ter um impacto muito significativo no resultado: sempre que possível, escolham flores da época e de produção nacional. Para além da evidente diminuição da pegada ecológica, não querem ter que passar pela angústia de ver a data aproximar-se e não ver a encomenda chegar. Aproveito para lembrar outra cautela importante, de que já vos falámos no nosso artigo de wise words sobre a escolha do bouquet: peçam sempre uma segunda opção ao vosso fornecedor de flores. O mercado floral é cheio de imprevistos (pragas, intempéries, greves de transportadores, aumentos nos combustíveis…), que se reflectem na disponibilidade e preço final do produto. O orçamento é pedido com meses de antecedência, mas encomenda é feita uma ou duas semanas antes do casamento, logo, as surpresas não são tão improváveis quanto isso.

 

Outra sugestão da Ema Mota Ramos é pensar fora da caixa: «Muitas vezes pergunto aos meus clientes se têm alguma memória de infância do jardim dos avós, dos pais, de uma tia… E se esse jardim ainda existe! Porque não usar uma selecção espécies provenientes desses espaços? Porque não aproveitar os desperdícios da poda de um jardim ou de um quintal?»

Substituir flores de corte por plantas que depois possam ser replantadas é uma outra opção. Curiosamente, em 2019 o Jardin d’Époque terá um casamento em que a noiva se recusa a ter “flores mortas”: diz-nos a Ema que o desafio é gigante mas amplamente suplantado pelo gozo de pensar todo um projecto de design floral com “flores vivas”.

 

Flores para casamento (17)Flores para casamento (19) Flores para casamento (16)

Mas a sugestão que, provavelmente, será mais fácil de aplicar tem a ver com a escolha dos fornecedores para o vosso casamento.  Percebam, verdadeiramente, o método e o processo de trabalho dos profissionais que avaliarem. «E nós fornecedores, estarmos disponíveis para trabalhar na redução da pegada ecológica do nosso negócio», garante Ema Mota Ramos. «Cá pelo estúdio começamos por fazer a separação das embalagens em que as flores vêm envolvidas. Quando processamos as espécies, recolhemos todas as folhas, caules, pétalas, pés partidos, etc.; e posteriormente encaminhamos estes desperdícios para a compostagem. Reutilizamos a água dos baldes e jarras para regar o jardim. Evitamos usar esponjas florais. E sempre que nos é pedida a recolha das flores no final de um evento, tentamos perceber se existem lares, centros de dia, hospitais ou outras instituições para os quais possamos encaminhar os arranjos e provocar ainda mais sorrisos. Há coisas que não conseguimos mesmo controlar, mas aquelas que dependem apenas de nós… É apenas uma questão de disciplina e de gestão do tempo.»

 

As imagens que ilustram este artigo são assinadas por Dreamaker e mostram um trabalho Jardin d’Époque para uma sessão fotográfica Romã Eventos.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: A importância do álbum de casamento

Sobre a escolha dos fotógrafos e videógrafos para o vosso casamento, já aqui vos falámos (aconselhamos a leitura). Hoje, por sugestão da Teresa e do Dado, da Arte Magna, vamos debruçar-nos sobre o “depois”: como guardar as fotografias do dia mais feliz das vossas dias. Diz-nos a Teresa«A nossa ideia era passar o quão importante é ter as fotografias impressas num objecto que para nós é como uma jóia de família. Recentemente fizemos uma palestra online para o mercado brasileiro sobre isso mesmo, a importância e o papel que o fotógrafo deve ter ao sensibilizar os seus clientes para a impressão de um álbum.»

Eu tenho o álbum de casamento dos meus pais em dois pequenos volumes e não lhes consigo colocar um valor, pois é algo muito valioso para mim.

Será que, na era digital, ainda há quem valorize um álbum fotográfico em papel? Segundo a Teresa, sim: «90% dos nossos casais opta por um álbum do casamento. Nas reuniões e mesmo na nossa proposta mencionamos a importância de ter um álbum. No momento do casamento, e numa altura em que só se vêm os euros a voar da conta, pode parecer algo dispensável. No entanto, pensar no álbum é pensar a longo prazo. Se puxarmos atrás, iremos ver que as fotografias não foram feitas para ficar em negativos, mas sim no papel. A fotografia tem outro valor quando impressa. Como diz o Dado, fotografia só é fotografia quando impressa… Até aí é apenas um arquivo digital.»

E porquê uma selecção de fotos se os noivos hoje em dia podem ter a totalidade num ficheiro? «Um álbum serve de resumo de um dia feliz, onde se quer contar uma história de forma leve e intensa. Pelo menos esta é a nossa visão e a dos nossos casais. Achamos que a resposta a esta pergunta é deixar duas questões:

Quantas vezes um casal se sentará a ver 600 fotografias num computador? E se o álbum estiver ali, na mesa de centro, quantas vezes eles irão pegar nele ou até mesmo quem os visita?

Falemos então do álbum-objecto: no Simplesmente Branco estamos habituados a ver álbuns construídos com perícia artesanal, recorrendo aos materiais mais nobres, e para nós não faz sentido outra coisa. O invólucro das memórias do dia do casamento tem que ser, ele mesmo, digno de apreciação. A maior parte dos bons fotógrafos trabalha em articulação com os melhores profissionais na área da encadernação. A Teresa diz-nos que os clientes estão cada vez mais bem informados e sabem bem o que há no mercado, pelo que se tornam mais exigentes e esperam um nível elevado no seu álbum. A informação é o melhor caminho para fazer boas escolhas, esse será sempre o nosso conselho: falem com os vossos fotógrafos sobre todas as possibilidades, mostrem-lhes as vossas ideias e acertem ao detalhe qual será o resultado final.

 

Fotografia de casamento, por Arte MagnaAgora, imaginemos que vocês até já contrataram os fotógrafos para o vosso casamento mas não se lembraram desta questão. Não se preocupem, qualquer altura é boa para optar por um álbum – podem fazê-lo mesmo depois do casamento: «Regra geral os nossos casais optam pelo álbum logo na assinatura do contrato, pois entendem realmente a importância dele. Muitos até falam que se imaginam a passar as folhas com os filhos ao colo. Podemos pedir mais?»
Na Arte Magna, desde 2014 que só oferecem um tamanho de álbum, por questões práticas. Utilizam álbuns 30×30 com acabamentos em tecido, procurando personalizá-los ao máximo – uma gravação diferente na capa feita com um cunho, umas guardas feitas com um padrão, etc. O prazo de entrega, geralmente, varia entre 6 a 8 semanas, dependendo do laboratório e dos artesãos com quem trabalham: «Ao longo destes anos temos algumas histórias, mas que se prendem mais com a reacção que os casais têm quando recebem os álbuns em mãos, quando passam de um pdf a um objecto. Para nós é gratificante quando um casal fica sem palavras e quando fica com as lágrimas nos olhos aos rever um dia tão feliz através de algo criado por nós com tanto carinho. Uma das frases que mais ouvimos é que a fotografia ganha vida. São coisas simples, mas que nos enchem o coração e nos mostram que estamos no caminho certo.»

 

Lembrem-se de falar com os vossos fotógrafos e videógrafos sobre o álbum das fotografias e a caixa para o cd do filme do vosso casamento. São peças que vão ficar para sempre; se forem bonitas, bem feitas, duradouras e intemporais, ficarão sempre satisfeitos por terem tomado essa opção.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: a importância da e-session

Quando falámos com a Lounge Fotografia sobre a arte de bem escolher os melhores profissionais para registar o casamento em imagens, houve uma recomendação deixada pelo Luís e pela Marta que se prende com o assunto destas nossas wise words de hoje:  «Se acham que se identificam com o trabalho apresentado mas resta ainda alguma dúvida, agendem uma sessão de noivado. É a melhor ocasião para quebrar o gelo e verem a forma de estar dos fotógrafos/videógrafos: se são descontraídos, afáveis, divertidos, se vos fazem rir, se vos direccionam muito ou pouco. E, no final, sentir se há magia nas imagens entregues!»

A e-session é, de facto, um momento importante nesta fase tão intensa das vossas vidas, e traz muitas vantagens acrescidas. Pode servir, efectivamente, para vos ajudar a ter a certeza de que vão escolher o fotógrafo ideal para vocês e para o vosso dia. Mas mesmo que já tenham isso bem arrumado, não saltem esta parte — trata-se de uma oportunidade de ouro para interagirem com os fotógrafos que estarão encarregues de registar o dia do vosso casamento. Ganha-se à vontade e descontracção, que serão essenciais no grande dia; afinam-se vontades e expectativas; e, de repente, já vocês tratam as câmaras por tu e já elas vos conhecem de cor, de modo que tudo flui com muito mais naturalidade.

Para além disso, é mais um pacotinho de memórias bonitas a acrescentar à vossa história e a colorir o vosso álbum de casamento com sorrisos ternos e emoções traduzidas em gestos e olhares. E, por último mas, decididamente, não menos importante, é uma experiência a dois que vão querer viver. Eu diria mais, que precisam de viver, para interromper a azáfama dos preparativos e lembrarem-se de que tudo isso está a acontecer porque vocês adoram estar juntos. Certo, é um momento de namoro com público, mas conta na mesma!

 

Então, qual é a melhor forma de pôr isto em prática? Primeiro, terão que agendar uma data com os vossos fotógrafos (e garantir que estão mesmo disponíveis e sem pressas). Segundo passo, escolher o local. Ora, aqui não há limites a não ser a vossa disponibilidade, a vossa vontade e o vosso orçamento: desde um passeio ao local onde se conheceram até uma viagem rápida a Paris, o que importa é que pensem no cenário em que se sentirão mais felizes e descontraídos. Muitos dos casais que já vivem juntos escolhem a própria casa para um registo mais intimista e os resultados são absolutamente cinematográficos. Se escolheram um ambiente ao ar livre, prevejam um plano b para o caso de chover (ou então, desde que tecnicamente viável, deixem a chuva fazer parte e juntem dois bonitos guarda-chuvas à equação).
Agora, vamos falar do guarda-roupa. Alguns critérios simples, que vos ajudarão rapidamente a decidir o que vestir: adequação ao cenário, para que se movimentem confortavelmente; equilíbrio entre ambos (apenas para que estejam em sintonia de estilo, não significa que tenham que ir a condizer); um ou outro acessório que introduza variação nas fotografias (como um chapéu, um lenço, uma flor para o cabelo). Se vos apetecer encenar um pouco a sessão, acrescentem-lhe adereços (as bicicletas de que nunca se separam, a guitarra com que costumam passar os serões, a prancha de surf que vos acompanha em todas as viagens à praia, etc.)
Têm lá em casa um amiguinho de quatro patas que vos alegra o coração? Então, levem-no também, prevendo alguém que tome conta do bichinho para algumas imagens mais tranquilas. E, neste caso, não deixem de falar com a Sóanimarte para que os animais de estimação sejam tratados como convidados VIP no vosso casamento.

 

Rita Santana Photography - fotografia de casamento em LisboaRita Santana Photography - fotografia de casamento em LisboaRita Santana Photography - fotografia de casamento em Lisboa

Quando chegar o dia da sessão, se precisarem de ajuda para descontrair e esquecer as câmaras, experimentem conversar um com o outro, ouvir música (não se “vê” nas fotografias mas é bem capaz de ser aquele toque que faltava para vos deixar no mood certo) ou ler alto: um poema, um trecho de um livro, uma carta de amor escrita de propósito (ou a primeira carta de amor que escreveram um ao outro).
Dizem os profissionais que, por mais tímidos ou inquietos que possam sentir-se os noivos, após alguns minutos tudo rola com naturalidade. Por isso, acreditem, sintam-se bem, assumam o momento de felicidade e de comunhão, e esperem depois pelas imagens, que vão acrescentar ainda mais magia a este novo capítulo das vossas vidas.

 

As fotografias que ilustram este artigo são do nosso fornecedor seleccionado Rita Santana Photography.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: receber convidados de quatro patas

Por esta altura, a maior parte dos vossos convidados já confirmou a sua presença no vosso casamento, a data aproxima-se e tudo parece estar a compor-se para que o grande dia seja perfeito. E no entanto há ainda uma questão por resolver que vos preocupa: o que fazer em relação aos vossos melhores amigos de quatro patas? Custa-vos excluí-los de um dia tão especial, afinal são membros de pleno direito da vossa família! Mas como gerir as necessidades e os temperamentos de um ou mais cães num dia tão carregado de emoções?

Hoje vimos aliviar-vos desta preocupação. Falámos com o Tiago Simões, da Sóanimarte, e com a ajuda da experiência dele e da sua equipa compusemos estas wise words dedicadas aos vossos convidados caninos. Isto porque a Sóanimarte dispõe de um inovador serviço de DogSitting:

Sim! Wedding DogSitting, ou seja, babysitting de cães. Os patudos são cada vez mais os filhos da relação e queremos que se sintam assim no dia mais feliz das vossas vidas. Agora já podem levar o vosso amigo mais fiel para a festa do vosso casamento. – Tiago Simões

Como é que isto se processa? O serviço da Sóanimarte é sobretudo direccionado para os cães dos noivos – mas pode ser aberta uma excepção para algum patudo demasiado próximo da família para ser deixado de fora num dia tão importante: «Tivemos, por exemplo, um DogSitting no Clube Universitário do Porto com quatro cães», conta-nos o Tiago. «Os dois cães dos noivos mais dois da mãe da noiva. Como já se conheciam todos, foi super tranquilo.»

Para que as coisas corram bem, há uma série de regras a cumprir e de precauções a tomar. O objectivo é garantir o bem-estar dos ‘patudos’, pelo que a Sóanimarte disponibiliza uma ou duas pessoas responsáveis e capazes de acompanhar os cães, garantindo que estes estejam atentos aos momentos-chave do grande dia. Mas o trabalho de casa começa antes do casamento propriamente dito. «É muito importante, e por isso obrigatório, conhecermos o cão antes do dia (e o cão conhecer-nos a nós!), para avaliarmos o seu nível de stress e para nos podermos todos acostumar uns aos outros, claro.» No caso de os vossos bichinhos estranharem sítios novos, sempre que possível deverão levá-los também a conhecer previamente o espaço onde decorrerá a festa. «Não excluímos nenhuma raça à partida, mas reforçamos sempre junto dos noivos, que conhecem o seu patudo como ninguém, que é importante manter toda a gente em segurança (convidados, o Dogsitter e o próprio cão). Se um cão demonstrar algum índice de agressividade, um tipo de evento desta envergadura só poderá potenciar essa tendência, pelo que aconselhamos os noivos a ponderar bem a sua presença.»

Cumpridos estes passos, chega a hora de preparar o cenário. Antes de mais nada, certifiquem-se sempre, junto dos responsáveis dos espaços onde decorrerá o vosso dia, se vos é dada permissão para levar cães convosco. No espaço da festa, será preparado um cantinho especial onde os animais se sintam mais do que em casa e ultra-mimados. Para tal, é importante que os donos levem os objectos pessoais dos cães: a cama ou manta preferidas, um ou outro brinquedo e a sua comida habitual.

Este serviço é disponibilizado num pacote de dez horas (que pode ser prolongado, mediante ajuste no orçamento, caso necessário). Podemos ir buscar o patudo a casa e devolvê-lo também a casa ou a um hotel, no final do dia. Ou podemos começar a nossa intervenção apenas na igreja ou no local da festa. Tudo isso será ajustado de acordo com a vontade dos noivos.

Por norma, o serviço inclui uma pessoa – apenas nos casos de mais do que um cão de porte médio ou grande é que a Sóanimarte sugere que estejam duas pessoas sempre presentes. E os DogSitters estarão sempre atentos às necessidades dos animais, quer seja protegendo-os do ‘assédio’ dos convidados, para que não se enervem, quer seja proporcionando-lhes momentos de passeio e mudanças de ambiente, sempre que sintam que há necessidade disso.

 

Wedding dog sitting: um serviço Sóanimarte (2)Wedding dog sitting: um serviço Sóanimarte (4)Wedding dog sitting: um serviço Sóanimarte (6)

Há ainda alguns detalhes com uma graça extra: podem disponibilizar a trela e a coleira dos vossos amiguinhos à Sóanimarte para que sejam personalizadas, de acordo com as cores ou o tema da vossa festa; e existe também a possibilidade de, através de uma câmara GoPro, obterem um registo do vosso casamento como se fosse pelo olhar do vosso bichinho de estimação. Esta última oferta ainda está em fase de testes, mas estamos desejosos de ver os primeiros resultados.

Se se inscrevem na categoria de donos de patudos incapazes de deixá-los de fora de um momento tão marcante nas vossas vidas, falem com a Sóanimarte e combinem com eles todos os pormenores. Com a correcta preparação prévia e a articulação de todos, a vossa festa poderá ficar ainda mais completa – ainda mais feliz!

 

Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: usar o Pinterest para organizar o casamento

Quando chega a hora de começar a organizar o casamento, de pôr as ideias em ordem para tomar decisões efectivas, todas as ajudas são bem-vindas — e o Pinterest é, sem dúvida, uma das plataformas que mais tem ajudado noivas e noivos por este mundo fora a reunir, de forma organizada e sistemática, inspirações e preferências, para depois virem a ser materializadas num dia de sonho. Já em 2018, contavam-se mais de quatro mil milhões de pins relacionados com o casamento!
Mas quem conhece o Pinterest sabe que também nos podemos sentir perdidos por ali, com demasiada informação a circular; por outro lado, convém pensar na plataforma como fonte de inspiração e não como catálogo a partir de onde poderemos escolher exactamente aquilo que queremos para nós, porque isso não é realista e, convenhamos, não tem graça nenhuma. Giro, giro, é conseguir combinar todas aquelas maravilhas num formato que seja a cara dos noivos e que tenha, também, a assinatura do profissional que escolherem para dar forma ao seu dia.

É por essa razão que hoje dedicamos as nossas wise words à melhor forma de usar o Pinterest a favor da organização do vosso casamento, uma forma que vos ajude e não vos complique a vida. E, para isso, trazemos-vos as palavras de Larkin Brown, que há cinco anos trabalha para proporcionar aos fãs do Pinterest uma experiência mais agradável. Há uns tempos, numa entrevista ao Style me Pretty, Larkin deixou algumas dicas bastante valiosas para as noivas e os noivos pinners:

Uma das primeiras coisas a fazer é simplesmente começar por usar o campo de pesquisa do Pinterest. Ao contrário de outros mecanismos de pesquisa, não é preciso saber exactamente aquilo que se procura para começar a receber resultados.

Habitualmente, os termos de pesquisa mais usados para arrancar com o processo são coisas genéricas como “vestidos de noiva” e “decorações de casamento”. Os guias de pesquisa podem ajudar-vos bastante a restringir os resultados, afunilando-os de acordo com as características que mais se adequam a vocês. Por exemplo, se escreverem “bouquet”, abre-se uma lista de sugestões que incluirá “bouquet de noiva simples”, “bouquet de noiva romântico”, “bouquet de noiva campestre”, etc. Ao seleccionarem uma das sugestões, estarão já a filtrar os resultados. Mas, se nada disso corresponde àquilo que procuram, perfeito na mesma: já sabem o que não querem e ficam assim mais perto de encontrar a palavra que poderá rentabilizar a pesquisa. Para os verdadeiros iniciados, que ainda não começaram bem a pensar no assunto, o truque é clicar no termo o mais abrangente possível e deixar as imagens falarem por si mesmas. Quando começarem a guardar pins que vos agradam, começarão a ver surgir padrões que definem o vosso estilo.

 

Outra das orientações interessantes que nos dá Larkin Brown tem a ver com o modo como podemos organizar as imagens recolhidas. O sistema habitual é a criação de álbuns temáticos, o que fará com que, por exemplo, se vocês estiverem a preparar o vosso grande dia, criem um álbum para o vestido, outro para o bouquet, mais um para a decoração, e mais outro para o bolo — e por aí em diante. Mas Larkin sugere que, tendo em conta que este é um assunto complexo e com um prazo de validade, ou seja, que encerrará no dia do vosso casamento, criem antes um único álbum dedicado à grande ocasião e, lá dentro, organizem as coisas através das secções (e também do título e da descrição). Encontram estas variáveis quando escolhem editar um pin, depois de guardá-lo no álbum. São várias as vantagens deste sistema de arrumação mais contido: uma delas é que, depois da grande festa, podem simplesmente arquivar o álbum. Isto não o elimina: envia-o para o final da vossa página e, ao mesmo tempo, interrompe as sugestões de imagens relacionadas com o tema. Poderão sempre revisitá-lo para matar saudades, mas entretanto terão outros assuntos em mente, ao quais será dada prioridade.

Enquanto estão de mãos na massa, poderão ter três tipos de preocupações: primeiro, com a vossa privacidade; segundo, a partilha de determinadas escolhas com algumas pessoas; e, terceiro, a necessidade de reality checks no meio de tanta coisa estilizada. Felizmente, Larkin Brown tem respostas para todas elas:

Envolvam a vossa cara-metade enviando-lhe pins usando Pinterest Messages ou a nossa integração com o Facebook Messenger. Partilhem também coisas específicas com os vossos fornecedores e com as pessoas que vos irão ajudar a passar as ideias à prática. Se não querem muita gente a meter o nariz nas vossas pesquisas, tornem o vosso álbum secreto. Se encontrarem alguma coisa na rua que vos agrada, fotografem-na com a Lens. E para cada pin com uma produção espectacular, há pins associados de utilizadores que tentaram concretizar aquela ideia e nos contam como tudo correu.

Simplesmente Branco no Pinterest

Perguntámos à Alexandra Barbosa, do nosso fornecedor seleccionado A Pajarita, se é útil que os seus clientes lhe mostrem as ideias que armazenaram no Pinterest: «Sim, ajuda. Há noivos que não sabem bem descrever aquilo de que gostam. Ou descrevem uma coisa e querem outra… isso percebe-se bem quando falamos sobre as imagens. Só não gosto que me digam “quero igual a isto”. Não é essa a minha forma de trabalhar. No entanto, é inegável que o Pinterest é uma boa plataforma para poderem ir definindo o estilo de casamento ou de festa que pretendem, a paleta de cores… Tenho clientes que fazem o mesmo no Instagram.»

Ora bem, então, agora que já dominam as ferramentas, é só meter mãos à obra: façam o vosso trabalho de casa e reúnam com os vossos profissionais preferidos, com tempo e disponibilidade. Conversem sobre a festa que esperam ter, o tipo de convidados (e as suas necessidades), o que é fundamental, o que é acessório e ideias que gostariam de pôr em prática, e deixem que o fornecedor inicie o seu processo criativo. Quer tenham uma visão bem definida ou uma ideia vaga, confiem nos profissionais que escolheram. Não o considerem um mero executante, mas um criativo capaz, cujo objectivo é prestar-vos o melhor serviço possível.

 

Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: escolher os sapatos para o casamento

Depois de coleccionarem dezenas de imagens bonitas, como aquelas que partilhamos convosco todos os domingos, chega a hora de escolher os sapatos para o casamento. E porque os sapatos não são apenas forma, mas também função, pedimos à podologista Patrícia Pontes que nos ajudasse a perceber como é que a escolha do calçado influencia o conforto e o bem-estar dos pés, sobretudo sabendo que o dia do casamento será grandemente passado em pé – e, provavelmente, durante as últimas horas, a dançar!

Para mim, falar de sapatos é um verdadeiro universo que me fascina, é o meu mundo. Se me colocarem um par de sapatos nas mãos conseguem ter uma longa conversa comigo sobre estas obras de arte (risos). São vários os detalhes de que vos posso falar e cada noiva terá necessidades particulares, mas vou mencionar alguns dos quais não podem deixar de ter a vossa atenção.

Perguntámos à Patrícia se o mito da Cinderela faz sentido, ou seja, se há um sapato para cada pé. A podologista respondeu-nos que sim e que há que ter em conta três factores no momento da escolha do sapato: são ele o tamanho, a largura e a própria estrutura ou morfologia anatómica do pé.  Por exemplo, certo formato de sapato pode adaptar-se perfeitamente a um pé de tamanho 37 mas não ser adequado em termos de largura. Numa situação destas, esqueçam a ideia de comprarem os sapatos para os alargarem em casa. No momento da compra têm de sentir-se confortáveis, não pode existir dor nem desconforto – os pés falam convosco, escutem-nos. «Trazer os sapatos para alargar em casa é estar a provocar problemas nos pés que por vezes não surgem naquele momento exacto após os usarem mas vão dar um sinal mais tarde.» É também importante experimentarem os sapatos com o tipo de meia que vão usar no dia do casamento, não só pelo espaço que ocupa mas também pelas sensações que o pé vos vai transmitir. Há meias que em contacto com determinados materiais fazem o pé deslizar e não vos vão dar segurança a andar.
Quanto à escolha do tamanho dos sapatos, orientem-se pelo dedo mais comprido e não pelo dedo mais gordo. «Entre o sapato e o vosso dedo mais comprido deve existir cerca de 0,5cm de espaço livre para que, ao caminhar, o pé possa avançar livremente, impulsionando o passo seguinte sem baterem com os dedos ou as unhas na frente do sapato.»

Há sapatos com acessórios lindíssimos como laços, pedras ou brilhantes, que muitas vezes estão posicionados em zonas de conflito com pontos sensíveis à dor. Se for esse o vosso caso, escolham sapatos isentos destes adornos nessas zonas delicadas.

 

O design dos sapatos também é muito importante, claro. Sapatos stilleto são sempre mais desconfortáveis para um dia exigente, a sua própria forma é mais estreita. É preciso saber escolher muito bem este tipo de sapato caso contrário sofrem dores horríveis nos pés – e até dores de cabeça. Para além disso, lembrem-se de que farão quilómetros no dia do vosso casamento, e se estiver calor os pés tenderão a dilatar. «Costumo dizer que andar de saltos é uma arte. Há mulheres que naturalmente deslizam com saltos mas para outras a ligação não se faz, e pode ser uma autêntica tortura.» Os pés são todos diferentes e cada mulher tem o seu próprio estilo de andar. Também existem pés instáveis por natureza e com determinados problemas que naturalmente têm maior dificuldade com os saltos ou simplesmente não os conseguem usar. Os saltos finos oferecem mais instabilidade e provocam mais cansaço que os saltos mais largos. «Para mim é fundamental uma noiva manter a sua elegância sem perder o seu conforto e naturalidade.»

 

Temos também as plataformas, que estão muito na moda. Apesar de serem associadas a maior conforto, isso pode ser ilusão. «É verdade que não se sente a textura de uma calçada, mas a maior parte das plataformas bloqueiam os movimentos naturais do pé. Há plataformas tão exageradas e com materiais tão rígidos que impedem as mulheres de fazerem a flexão normal de que o pé precisa.»

Procurem um formato de sapato com bom apoio que respeite a largura, o volume e as necessidades dos vossos pés, proporcionando-lhes conforto. Os materiais também são de extrema importância para o conforto e a saúde do pé. Materiais naturais como a pele, algodões, sedas entre outros materiais inovadores já existentes no mercado são sempre boas escolhas, desde que sejam macios, confortáveis, com boa respiração do pé e absorção da transpiração.

«Uma outra palavra-chave é leveza: quanto mais leves forem os vossos sapatos, menos esforço terão que fazer e menos cansadas ficarão.»

 

 Ora bem, se tiverem em conta estes aspectos assinalados pela Patrícia Pontes na hora de escolherem os sapatos para o casamento, garantidamente que irão minimizar muitos dos problemas e situações indesejadas.

Uma escolha acertada é aquela em que nos sentimos tão confortáveis com os sapatos que podemos facilmente sair com eles calçados da loja.

Ainda assim, é aconselhável que usem os sapatos algumas vezes, antes do grande dia. Se não o quiserem fazer na rua, façam-no em casa para uma adaptação natural e gradual, ou até mesmo para ponderarem uma possível troca no caso de verificarem que não fizeram a compra mais adequada.

E os homens, deverão ter também o mesmo tipo de preocupação com a escolha do calçado? «Sim, claro. Apesar de aparentemente os sapatos de homem serem mais confortáveis, nem sempre se faz a melhor escolha mediante aquilo de que os pés precisam.» Há sapatos masculinos com design bem estreito que não obedece à anatomia do pé.  Um noivo que esteja habituado a usar calçado mais casual ou desportivo, terá mais dificuldade adaptar-se ao calçado clássico. As solas em couro são menos flexíveis e sem amortecimento e por vezes o tipo de pele é mais dura. É aconselhável dar preferência a peles mais macias ou outros materiais flexíveis e que permitam a respiração. É também importante escolherem adequadamente o tamanho, tendo em conta a largura e a estrutura anatómica do pé. Sapatos com atacadores ou fivelas permitem que ao longo do dia do casamento possam reajustar os sapatos. Lembrem-se de ter em conta a dilatação ao calor e experimentem os sapatos com o mesmo tipo de meia que usarão no dia. Tal como as meninas, também os meninos devem usar os sapatos em casa, algumas vezes.

 

Agora que já vimos a questão do calçado, debrucemo-nos sobre os pés propriamente ditos. O que é que pode ser feito para prepará-los para o esforço do dia do casamento? «No caso de terem alguma dor ou problema de unhas, pele, calos ou calosidades, devem procurar um podologista com antecedência para tratarem devidamente os vossos pés. No caso de terem os pés saudáveis e sem problemas, aconselho o corte das unhas com cerca de uma semana de antecedência. Ao longo de pelo menos um mês, fazer uma esfoliação aos pés uma a duas vezes por semana, conforme a necessidade dos vossos pés, e todos os dias hidratá-los – excepto entre os dedos. Estes cuidados vão deixar os vossos pés bonitos, sedosos, perfumados e com um conforto maravilhoso.»

As meninas que queiram pintar as unhas dos pés tenham também em atenção as seguintes orientações: primeiro, garantir que as unhas estão saudáveis. Depois, cortá-las em formato recto. As cutículas não devem ser cortadas mas empurradas suavemente (aproveitem o momento da esfoliação de pés para esfoliar as cutículas e mantê-las sempre hidratadas). Apliquem previamente ao verniz de cor uma boa base protectora da unhas e escolham sempre vernizes de qualidade.

 

E depois do grande dia? Como ajudar os pés a recuperar de um esforço extraordinário? «Preparar um banho relaxante de pés com sal grosso, adicionar uma ervas de alfazema, alecrim e umas rodelas de limão e mergulhá-los por uns minutos, vão ficar rapidamente revigorados. Secar muito bem os pés, não esquecendo o meio dos dedos e unhas, e fazer uma boa hidratação acompanhada com uma boa massagem por todo o pé para aliviar todos os pontos de tensão. Aproveitem para desfrutar deste momento a dois. Se possível, andem algum tempo descalços pela casa, desde que não tenham o hábito de usar calçado de rua dentro de casa e que os vossos pés estejam de perfeita saúde. E para este dia larguem os saltos e usem sapatos bem confortáveis.»

 

As fotos que ilustram este artigo são assinadas pelo nosso fornecedor seleccionado Um Dia de Sonho.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.

Marta Ramos

Wise words: já começaram a escrever os votos de casamento?

Já pensaram nisto? No meio de tanta azáfama, de tanta escolha, de tanta decisão, o mais importante do vosso grande dia é aquilo que sentem um pelo outro e a união que ali começa. Então e vão deixar o mais importante por dizer? Se ainda não meteram mãos à obra, não se preocupem: façam uma pausa para pensar com ternura nas coisas bonitas que fazem de vocês um casal. Depois, é só pegar na caneta (ou no teclado, embora eu ache que o coração se liga mais facilmente à escrita manual) e escrever.
Com as wise words de hoje, espero trazer-vos algumas luzes para que assumam a tarefa sem medos, com o coração.
Nos casamentos religiosos, os votos obedecem a uma estrutura fixa. Em Portugal, os votos de casamento escritos pelos noivos são mais comuns nas cerimónias civis, como uma forma de personalizar o acto e dar-lhe outro encanto. No entanto, nada vos impede de dizer os vossos votos pessoais caso optem por um casamento religioso. Antes de mais nada, coloquem a questão junto do padre ou ministro da vossa igreja ou comunidade religiosa, de modo a averiguar se existe alguma possibilidade de incorporarem os vossos textos na cerimónia. Caso isso não seja possível, criem o vosso próprio momento especial na altura do dia que vos parecer mais adequada. Por exemplo, caso estejam a planear incluir discursos na vossa festa, os votos poderão ser o culminar dos discursos, o momento alto das emoções, antes de um brinde (com a abertura do bolo, porque não) e celebrado em grande estilo logo a seguir, na pista de dança.
São mais cantores do que oradores? Então cantem os vossos votos: poderão escolher uma música que vos seja particularmente agradável e substituir a letra por palavras vossas; ou então, havendo talento para tanto, compor a música de raiz. Se precisarem de ajuda, falem com a Caramelo!

Independentemente da forma, nos votos de casamento é o conteúdo que conta. Não há fórmulas mágicas para esta coisa das palavras de amor, como vocês bem sabem: é abrir o coração e deixá-lo falar por vocês. Pode haver, no entanto, uma certa metodologia que vos ajude a arrancar e a não entrar em pânico com a página em branco:

. Imaginem que estão a escrever uma carta de amor à vossa cara-metade, em que lhe transmitem como se sentem com a aproximação do grande dia e aquilo que mais desejam para a vossa vida a dois.

. Comecem por responder a meia-dúzia de perguntas, que reunirão material mais do que suficiente para descolar: ‘o que é que eu senti quando te conheci’, ‘quando é que eu soube que era amor’, ‘quais são as tuas características que me fazem querer ter-te ao meu lado para sempre’, ‘o que é que mudaste em mim’, ‘o que quero fazer por ti’, ‘como nos imagino daqui a dez anos’… Esta amostra dará um bom ponto de partida.

. Usem auxiliares: ouvir as vossas músicas, rever as vossas fotografias e relembrar alguns dos presentes que já trocaram, por exemplo, trará as emoções à superfície.

. Não tenham receio de pedir palavras emprestadas àquela canção especial, ao livro que não esquecem ou ao filme que parecia estar a contar a vossa história. Vale tudo, desde que seja de coração!

. Por fim, treinem a leitura. Há palavras e construções frásicas que resultam muito bem no papel mas que depois se atrapalham na oralidade. Simplifiquem e clarifiquem. E pronto!

 

Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography Casamento a dois, na Costa Alentejana, por Adriana Morais Photography

As imagens que ilustram este artigo são da autoria do nosso fornecedor seleccionado Adriana Morais – Fotografia.
Sobram dúvidas? Falem connosco, têm a caixa dos comentários inteiramente à vossa disposição. E não deixem de acompanhar todos os artigos de wise words que vamos publicando, sempre à segunda-feira.